Comerciante recebe depósito de R$ 77 milhões por engano

Quem não sonha em ficar milionário? E se da noite para o dia aparecesse R$ 77,6 milhões na conta? Foi exatamente isso o ..

Francielly Azevedo - 04 de janeiro de 2019, 18:58

Foto: Acervo Pessoal
Foto: Acervo Pessoal

Quem não sonha em ficar milionário? E se da noite para o dia aparecesse R$ 77,6 milhões na conta? Foi exatamente isso o que aconteceu com o comerciante Paulo André Vieira, de 37 anos, na manhã do último dia 27 de dezembro. Só que o dinheiro não era dele, tinha sido depositado por engano pelo banco.

"No início eu achei que poderia ser um plano de capitalização, aqueles títulos de capitalização que eles vendem em banco, que eu tinha feito e poderia ter ganho, mas aí vi que o valor era incompatível com os prêmios", disse.

O comerciante, morador de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, conta que a alegria momentânea, logo virou preocupação. "Foi um pouquinho de alegria, mas depois raciocinando direito veio a tristeza e um pouco de preocupação porque: de quem era aquele dinheiro? Como ele foi parar na minha conta?", relatou.

Paulo disse que passou o restante do dia observando a conta para ver se o dinheiro desaparecia. "Entrei várias vezes na conta pra ver se o valor saia, se foi um erro de acesso inicial, ficou lá por mais ou menos umas quatro horas", contou.

Precisando pagar fornecedores, o comerciante percebeu que também não conseguia movimentar o próprio dinheiro já existente na conta. "Logo após o almoço eu vi que o dinheiro continuava lá e eu precisava fazer movimentação para pagar fornecedores, mas eu não conseguia movimentar nem o meu dinheiro. Aí eu liguei para o banco e até fui meio sarcástico com o rapaz dizendo 'eu tô milionário, mas esse dinheiro não é meu'", lembrou aos risos.

O dinheiro foi estornado. O problema é que, junto com os R$ 77 milhões, também foi retirado o valor que já estava anteriormente na conta de Paulo. "Lá pelas 15h tiraram o dinheiro, mas tiraram todo o dinheiro, inclusive o meu. Eu tinha uns R$ 15 a R$ 20 mil para pagar fornecedores e a conta ficou negativa. O dinheiro não voltava, não voltava. Até que lá pelas 20h o meu dinheiro voltou.", relembrou.

Após solucionada a confusão, Paulo ainda tem alguns questionamentos em relação a um possível reflexo na Receita Federal e no Imposto de Renda, mas o banco já garantiu que não terá problema. Para o comerciante restou sonhar com o valor que o fez milionário por poucas horas. "É um sonho né, um valor bem expressivo, daria para viver o resto da vida bem. Eu viveria viajando", brincou.