Comerciantes do litoral projetam movimento 40% menor no verão; aglomeração preocupa

Angelo Sfair

comerciantes, litoral, paraná, pandemia, covid, covid-19, coronavírus, temporada, temporada de verão

Em meio à pandemia do coronavírus, comerciantes do litoral do Paraná projetam um movimento 40% na temporada 2020-21, na comparação com o período anterior. Apesar da expectativa negativa, as praias devem estar repletas de veranistas entre o final de dezembro e o início de janeiro.

De acordo com o governo do Paraná, a taxa de ocupação dos imóveis no litoral para a alta temporada já supera 80%. O indicador preocupa à medida que o sistema público de Saúde está exaurido pela Covid-19 e a demanda por novas vagas de enfermaria e UTI cresce em ritmo mais acelerado do que a capacidade do sistema em liberar vagas.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Matinhos (Acima), Adriano Menine Ribeiro, reconhece que as praias estão movimentadas, embora o faturamento esteja abaixo da expectativa. Ele espera que o depósito da segunda parcela do 13° salário aqueça o comércio local.

“Há turistas na cidade, mas eles estão receosos em gastar. Todos os feriados os comerciantes vêm medindo esse consumo. Até agora, o consumo é equivalente a 60% do que registramos na temporada passada”, disse Ribeiro à BandNews FM Curitiba.

Apesar do momento restritivo, os comerciantes mantêm a confiança de que a temporada de verão poderá recuperar parte das perdas acumuladas desde março. O litoral do Paraná tem cerca de 300 mil habitantes, mas na alta temporada, com a chegada dos veranistas, costuma abrigar cerca de 1,5 milhão de pessoas.

“A gente acredita que o turismo interno, neste ano, terá uma alavancagem importante. No entanto, as restrições impostas pela pandemia podem fazer com que as pessoas se limitem um pouco”, analisa a presidente da Associação Comercial e Empresarial de Guaratuba (Acig), Solange Aparecida de Souza.

VERÃO CONSCIENTE: CARTILHA ORIENTA VERANISTAS NO LITORAL

Ao participar do lançamento da Operação Verão Consciente, que na temporada 2020-21 vai substituir a Operação Verão, o secretário de estado da Saúde, Beto Preto, compartilhou um prognóstico negativo para a pandemia. “O momento é crítico”, lembrou ele, em coletiva de imprensa, destacando que uma nova explosão de casos pode acontecer a qualquer momento.

Por isso, nesta edição, Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros trabalharão para garantir o cumprimento do decreto restritivo da pandemia do coronavírus. Válido até 28 de dezembro, ele impõe toque de recolher noturno, lei seca e proibição de aglomerações com mais de 10 adultos. A Sesa avalia o pedido de prorrogação das medidas até, pelo menos, a primeira semana de janeiro.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Pública, coronel Rômulo Marinho Soares, os cidadãos que descumprirem estarão sujeitos à responsabilidade criminal prevista nos artigos 268 e 330 do Código Penal, que tratam da propagação de doenças contagiosas e da desobediência. “Nossa orientação é pelo bom senso. Nossas equipes do litoral e no interior vão priorizar o diálogo e a orientação. Mas, não faltará energia para cumprir as determinações, se necessário”.

Conforme o coronel, uma parceria com o TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) permitirá a construção de um cartório temporário no litoral do Paraná para que sejam lavrados os termos circunstanciados relacionados à temporada de Verão.

O superintendente de Esporte do Paraná, Hélio Wirbiski, também participou do lançamento da Operação Verão Consciente e colocou as equipes à disposição para ações educativas nas praias, no litoral, e no interior.

O governo do Paraná lançou uma cartilha online com orientações para os veranistas, que pode ser consultada aqui, ou acessada pelo site: www.coronavirus.pr.gov.br.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="735172" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]