Comitê de Volta às Aulas do Paraná vai discutir estratégia para diminuir a evasão escolar depois da pandemia

Angela Luvisotto - BandNews FM Curitiba

volta às aulas, paraná, comitê, evasão escolar, pandemia, coronavírus

No Paraná, o “Comitê de Volta às Aulas” vai discutir as estratégias para controlar os índices de evasão escolar. O comitê é formado por representantes da saúde, educação, casa civil, fazenda, Ciência e Tecnologia, Fundepar, Ministério Público, Conselhos Estadual e Municipais de Educação, Associação de Municípios e também com representantes do sistema privado e dos pais de alunos.

O objetivo do comitê é organizar os protocolos para a retomada das aulas no estado assim que as autoridades sanitárias autorizarem esse retorno.

A primeira reunião virtual do comitê aconteceu na última quinta-feira (10) e, segundo o diretor geral da secretaria, Glaucio Dias, o envolvimento de todos os atores da educação neste comitê vai garantir uma volta às aulas tranquilas em todo o Paraná:

“A secretaria de Estado da educação vem conversando há 45 dias com o CNE (Conselho Nacional de Educação) para tratar deste tema. O secretário Renato Feder enviou uma carta ao CNE sugerindo que o conselho discuta sobre este tema, para que o assunto seja debatido e tenhamos um retorno de forma organizada e segura para todas as famílias e profissionais envolvidos”, esclarece Glaucio Dias.

Além do protocolo de retorno, o comitê também tem a missão de encontrar ferramentas e soluções para evitar a evasão escolar no período pós pandemia. Uma pesquisa realizada pelo Conselho Nacional da Juventude, realizada com mais 33 mil jovens brasileiros, entre os dias 15 a 31 de maio em todas as regiões do país, apontou que três em cada 10 jovens pensam em largar a escola no período pós pandemia.

Segundo o diretor da secretaria de educação do Paraná, o planejamento do programa Aula Paraná, que é o programa que promove a manutenção das aulas na rede pública estadual, também foi feito para minimizar os efeitos da evasão no estado:

“Nós tivemos sempre em mente que a manutenção e construção do sistema EAD tinha como um dos principais papéis o combate à evasão escolar. Nós temos um alto histórico de evasão escolar no estado, um dos nossos focos é combater isso. A gente tinha um receio muito grande de que o aluno, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade social, o aluno distante da sala de aula e sem nenhum contato inevitavelmente colaboraria para um aumento brutal do índice de evasão escolar”, diz.

De acordo com os dados da secretaria, o programa de Educação à Distância implantado no Paraná é referência no país e atinge quase a totalidade dos alunos da rede pública paranaenses:

“A manutenção da rede EAD é uma forma de manter um vínculo com o aluno, de modo que esse quadro da evasão escolar não se agrave. Nós tivemos um bom avanço nesse cenário em 2019 em relação a 2018, mas se a gente permitisse que o aluno ficasse ausente da sala de aula todo esse período, certamente esse quadro se agravaria de uma forma contundente”, afirma.

Mais de 1 milhão de alunos paranaenses da rede estadual acompanham, nesse momento, o conteúdo a distância. O Aula Paraná começou a ser transmitido no dia 06 de abril, e por dia são produzidas mais de 36 aulas a todos os alunos da rede. Além da TV aberta, as aulas também são transmitidas no Canal do YouTube Aula Paraná, que já tem mais de 23 milhões de visualizações.

Previous ArticleNext Article