Concurso da Polícia Civil: Defensoria Pública estuda ação coletiva para reparar candidatos

Redação

concurso, pcpr, polícia civil, núcleo de concursos, ufpr, candidatos, defensoria pública, ação coletiva

Uma ação coletiva pode ser aberta para reparar os danos causados aos candidatos inscritos para o concurso público da Polícia Civil do Paraná. A prova, marcada para o último domingo (21), foi suspensa sete horas antes do horário previsto.

O cancelamento no dia concurso público revoltou os inscritos. Parte dos 106 mil candidatos viajou longas distâncias para realizar a prova. Gastos com passagens, transporte, hospedagem e alimentação podem estar no centro da ação, além do dano moral coletivo.

A DPE-PR (Defensoria Pública Estadual do Paraná), junto a DPU (Defensoria Pública da União), já solicitou informações detalhadas ao Núcleo de Concursos da UFPR (Universidade Federal do Paraná).

O NC alegou falta de segurança sanitária para suspender a prova horas antes do concurso público ser realizado. De acordo com o Núcleo de Concursos, foi considerado o momento crítico da pandemia do coronavírus.

Entre os problemas encontrados “na última inspeção da madrugada” estavam termômetros sem pilhas, locais de prova inadequados e desistência dos aplicadores e fiscais.

Antes de mover uma ação coletiva, a Defensoria Pública do Paraná quer entender se o Núcleo de Concursos poderia prever os problemas detectados na véspera do exame. Além disso, questiona o que a UFPR pode fazer para minimizar os danos causados aos candidatos.

A Defensoria Pública lembra, ainda, que recomendou a suspensão concurso público com antecedência. Ao todo, quatro mandados de segurança e uma ação civil pública questionaram a realização da prova durante a pandemia da Covid-19, mas o Núcleo de Concursos da UFPR e a Polícia Civil do Paraná sempre defenderam que era possível aplicar a prova com segurança.

Uma nova data para o concurso público ainda não foi definida, e não se sabe se o NC-UFPR continuará a frente do processo seletivo. A Controladoria-Geral do Estado e a Polícia Civil abriram um investigação para apurar o caso. O apoio da Polícia Federal também foi solicitado.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="746982" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]