Coronavírus: mulher que compartilhou fake news sobre médico morto se diz arrependida

Redação

mulher, fake news, coronavírus, covid-19, arrependida, mppr, gaeco, retratação, termo circunstanciado, contravenção penal, facebook, instagram, guarapuava, paraná

A mulher que compartilhou fake news sobre um médico morto pelo coronavírus (Covid-19) em Guarapuava, no centro-sul do Paraná, disse em depoimento que está arrependida.

Ela foi detida e levada a depor pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado). A fake news foi compartilhada no Facebook.

A mensagem falsa alertava sobre um médico morto pelo novo coronavírus (Covid-19). Guarapuava não tem nenhum caso confirmado da doença, de acordo com o boletim mais recente da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde do Paraná).

MULHER QUE POSTOU FAKE NEWS SOBRE CORONAVÍRUS SE DIZ ARREPENDIDA

Ao ser interrogada, a mulher detida por espalhar fake news sobre a morte de um médico pela Covid-19 em Guarapuava confessou os fatos.

A autora da mensagem falsa disse que está arrependida e foi liberada após assinar um Termo Circusntanciado.

Por postar notícia falsa relacionada ao novo coronavírus (Covid-19), ela poderá responder por infringir as leis das Contravenções Penais.

“Provocar alarma, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto” é uma infração prevista no artigo 41. A pena prevista é de prisão simples, de 15 dias a seis meses, ou multa.

NÃO É CASO ISOLADO NO PARANÁ

O MPPR (Ministério Público do Paraná) também tomou providências contra uma influenciadora digital” de Cascavel que espalhou fake news sobre o novo coronavírus (Covid-19).

Outros casos semelhantes foram registrados em Londrina e Paranavaí, onde a Justiça determinou que a infratora se retratasse sob pena de multa diária.

Previous ArticleNext Article