Covid-19: Curitiba ultrapassa marca dos 29 mil casos e beira as 900 mortes

Jorge de Sousa

Covid-19: Curitiba ultrapassa marca dos 29 mil casos e beira as 900 mortes

Curitiba fechou a primeira semana da bandeira amarela com novos 297 casos e 18 óbitos pela Covid-19, segundo boletim divulgado pela Secretaria Municipal da Saúde nesta sexta-feira (21).

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, fez um pronunciamento duro na live desta sexta-feira sobre as críticas recebidas pela adoção da bandeira amarela na capital paranaense.

“Nós não pintamos bandeira. Utilizamos indicadores para tomar as melhores decisões para a população curitibana. Fizeram uma ilação desrespeitosa com nossa equipe, sendo que todos os dias estamos aqui. Infelizmente tem pessoas que querem achar pelo em ovo, que não saem dos seus lares e querem nos afrontar, sem terem produzido nada para a sociedade curitibana”, desabafou a secretária.

A decisão da Prefeitura de Curitiba em adotar o regime da bandeira amarela recebeu uma ação protocolada na Justiça pelo MPPR (Ministério Público do Paraná), que questionou os motivos da decisão do executivo municipal.

Fato é que desde 11 de março – início da pandemia da Covid-19 em Curitiba, 29.269 pessoas foram contaminadas e 891 óbitos foram registrados em decorrência da doença.

As últimas vítimas são 11 homens e sete mulheres, sendo que quatro dessas pessoas têm menos de 60 anos, embora apresentassem ao menos uma comorbidade à Covid-19.

A primeira semana da bandeira amarela também apresentou os menores números de óbitos desde o início do mês de julho. 63 pessoas morreram desde 16 de agosto, enquanto na última semana haviam sido registrados 106 falecimentos pela doença.

Outro número positivo é que os casos ativos da Covid-19 seguem estabilizados, chegando ao patamar de 4.390 nesta sexta-feira. Todas essas pessoas são aquelas que ainda podem transmitir a doença.

TAXA DE OCUPAÇÃO DOS LEITOS DE UTI SEGUE ESTÁVEL

Os hospitais de Curitiba completaram 23 dias com menos de 90% na ocupação dos leitos de UTI, chegando a marca de 83% espaços ocupados por pacientes com quadros graves da Covid-19.

Atualmente a Secretaria Municipal da Saúde disponibilizam 355 leitos de UTI exclusivos para a Covid-19, sendo que 61 estão desocupados nesta sexta-feira.

Como comparação, no dia 28 de julho os leitos de UTI estavam com 94% de ocupação, mas agosto trouxe uma queda nesse índice, acompanhando também a diminuição dos casos ativos da doença.

Desde o início da pandemia, não houve colapso no sistema público de saúde na cidade, com a taxa de ocupação batendo o teto de 97%.

COVID-19 SE ESPALHA PELOS BAIRROS DE CURITIBA

A incidência de casos da Covid-19 segue em largo crescimento nas regionais de Curitiba. Novamente todas essas localidades apresentaram aumento em comparação com a semana anterior.

Seis regionais apresentam incidência maior do que a média de Curitiba (1.514 por 100 mil habitantes): Bairro Novo (1.727,7), CIC (1.666,1), Matriz (1.570), Pinheirinho (1.727,9), Portão (1.556,8) e Tatuquara (1.404,4).

Outro número preocupante é que com exceção da Regionais Tatuquara todas as outras localidades apresentam pelo menos dois mil casos confirmados da Covid-19.

Mas esses números podem crescer, porque 2.661 casos seguem sem categorização por endereço de residência.

Desde o início da pandemia foram feitos 203.858 testes (PCR e sorológicos) em Curitiba, sendo 15.531 somente nesses últimos sete dias, maior registro semanal de exames na cidade.

“Os idosos só devem circular se for algo imprescindível. Mas ir a shoppings, só se for algo muito pontual e rápida. Sempre usando a máscara, em um momento que não tem muita gente, porque o grupo mais vulnerável a apresentar complicações pelo coronavírus são os idosos”, finalizou Huçulak.

LEIA MAIS: Johnson & Johnson testará vacina em 60 mil voluntários incluindo o Paraná

Previous ArticleNext Article