Covid-19: Profissionais da saúde enfrentam ansiedade e depressão

Ana Cláudia Freire

"As pessoas preferem achar que ficando em casa sem a medicação estão mais protegidas. A população precisa se conscientizar que não pode ficar em casa doente", explica o presidente da APPSIQ
coronavírus, coronavírus no paraná, covid-19, mortes por coronavírus, casos confirmados de coronavírus, boletim, sesa, secretaria de estado da saúde, secretaria estadual da saúde, paraná, curitiba, londrina, cascavel, foz do iguaçu, maringá, campo mourão, paranaguá, litoral

Em 2019, OMS (Organização Mundial da Saúde) apontou que o ano de 2020 seria o ano em que a depressão seria a doença mais incapacitante do mundo. Logo depois viria a ansiedade.

O que a OMS não sabia é que 2020 seria também o ano da pandemia do novo coronavírus e que a Covid-19 mataria milhares de pessoas ao redor do planeta.

Manter em dia a saúde mental em tempos de tantas restrições, medos e incertezas é um verdadeiro desafio para a população em geral, como também para profissionais que lidam diariamente com esses transtornos.

A ABP (Associação Brasileiro de Psiquiatria), publicou em maio, uma pesquisa que aponta que  89,2% dos especialistas entrevistados destacaram o agravamento de quadros psiquiátricos em seus pacientes por conta da pandemia. Os motivos estariam no isolamento social e no medo do contágio da doença.

Ainda segundo esta mesma pesquisa, 47,9% dos profissionais tiveram um aumento nos atendimentos em seus consultórios.

Para o presidente da APPSIQ (Associação Paranaense de Psiquiatria), Dr. Júlio César Nogueira Dutra, a busca pela psiquiatria nunca foi tão necessária.

 “A população está adoecendo com as incertezas do futuro. Já sabemos que Brasil é o país mais ansioso do mundo e esse estado de alerta faz com que a população fique ainda mais ansiosa. Precisamos olhar  para essa inquietação que pode gerar a ansiedade e em alguns casos a síndrome de pânico e a depressão”, afirmou o especialista.

O médico afirma ainda que muitos pacientes que receberam alta de seus tratamentos estão retornando aos consultórios. Em contrapartida, muitas pessoas deixam de procurar o médico especialista por medo de se expor à doença.

“As pessoas preferem achar que ficando em casa sem a medicação estão mais protegidas. A população precisa se conscientizar que não pode ficar em casa doente. Tem medicamento para o  coração, pulmão, câncer e também  medicação pra questões de ordem emocional”, conclui o médico.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE ESTÃO NA MIRA DA ANSIEDADE E DA DEPRESSÃO

Médicos, enfermeiras, auxiliares, técnicos e  servidores da área da saúde, que estão todos os dias na linha de frente no combate à Covid-19, podem ficar com  a saúde mental comprometida.

É o que aponta um levantamento da APPSIQ , que levou em conta dados do atendimento psiquiátrico voluntário feito para profissionais da área da saúde.

Foram três meses de atendimento totalmente voluntário e gratuito feito por 65 profissionais psiquiatras  ligados à Associação.

Ao todo, 168 profissionais de saúde passaram pelo atendimento, 73 médicos, 32 profissionais da equipe técnica e 29 auxiliares de enfermagem. Os demais atendidos são das mais diversas áreas da saúde.

Segundo a APPSIQ, a ansiedade foi o transtorno mais diagnosticado durante as consultas. 83 profissionais apresentaram os sintomas. 56 apresentaram sintomas de depressão, 14 de bipolaridade e 15 profissionais atendidos apresentaram quadros de fobia social, pânico, insônia, psicopatia e TAG (Transtorno de Ansiedade Generalizada).

Dos profissionais atendidos, 69 deles tem contato e exposição direta ao novo coronavírus,o que agrava potencialmente o medo de contrair a doença e de também contaminar parentes e amigos.

QUARTA ONDA

Segundo o Dr. Júlio César, esses profissionais tem desenvolvidos sintomas como nunca se tinha percebido.

“Imagina o profissional que sai todo dia pra enfrentar o inimigo fantasma? A  possibilidade de trazer pro lar, de se contaminar, adoecer, morrer? É muito comum entrar num estado de alerta e fazer  quadros ansiosos e depressivos”, explica.

Para o especialista, vivemos um  momento crítico e complicado para a saúde.

“Teremos, num futuro próximo, sequelas na sociedade.  O número de casos de doenças mentais vai aumentar exponencialmente. Para onde vai essa população? Aonde ela vai se tratar? É o que chamamos de quarta onda da doença – será um desafio olhar para esses quadros emocionais”.

FIQUE ALERTA AOS SINTOMAS

Os sintomas mais comuns da Ansiedade são:

  • Preocupações, tensões ou medos exagerados, sem a capacidade de relaxar;
  • Sensação contínua de que algo ruim vai acontecer;
  • Medo extremo de algum objeto ou situação;
  • Medo exagerado de ser humilhado publicamente;
  • Falta de controle sobre os pensamentos ou atitudes;
  • Pavor depois de uma situação muito difícil.

Os sintomas comuns da Depressão são:

  • Presença constante de pensamentos negativos;
  • Sentimentos de culpa;
  • Sensação de inutilidade;
  • Baixa auto-estima;
  • Tristeza;
  • Diminuição do prazer e do ânimo para atividades cotidianas.

Fonte: Ministério da Saúde

CARTILHA SAÚDE MENTAL COVID-19 

A Associação Brasileira de Psiquiatria  lançou em maio a cartilha “Saúde mental e Covid-19“.

O documento tem como objetivo orientar a população sobre os riscos que o distanciamento social e a pandemia de Covid-19 podem trazer à saúde mental.

Pretende também auxiliar na elaboração de estratégias para lidar com os desafios trazidos pelo momento atual.

Para acessar a cartilha Saúde mental e Covid-19 clique aqui.

Previous ArticleNext Article
Avatar
Jornalista - Chefe de Redação do Paraná Portal