Cresce a participação das mulheres no mercado de trabalho do Paraná

As mulheres estão mais presentes no mercado de trabalho do Paraná. Nos últimos cinco anos, o número de mulheres com cart..

Mariana Ohde - 04 de dezembro de 2016, 18:48

As mulheres estão mais presentes no mercado de trabalho do Paraná. Nos últimos cinco anos, o número de mulheres com carteira assinada aumentou 17% - de 1,4 milhão para 1,194 milhão, entre 2010 e o ano passado. Os dados são da Relação Anual de Informações Sociais, do Ministério do Trabalho.

No mesmo período, o salário médio das mulheres paranaenses subiu, sem considerar a inflação, 63,7%, o que corresponde a R$ 2.206.

O salário médio dos homens subiu um pouco menos, cerca de 59%, atingindo a média de R$ 2.629 reais.

Em 2010, os salários dos homens eram, em média, 23% maiores do que das mulheres. No ano passado, essa relação caiu para 19% no Paraná.

Ainda segundo o levantamento, os setores de eletricidade e gás foram os que pagaram os maiores salários para as mulheres, com remuneração média de R$ 5.558. Na outra ponta, os menores salários para as mulheres estão na agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com R$ 1.313.

Preparo para o mercado

Na avaliação do Diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes), Julio Suzuki Júnior, a qualificação profissional tem auxiliado no crescimento das mulheres no mercado de trabalho. "Hoje, nós temos um contingente de mulheres que, em média, estudam mais que os homens e isso vem revertendo em maiores salários para as mulheres", explica.

Na opinião da Diretora da Associação Brasileira de Recursos Humanos, Sônia Gurgel, a responsabilidade de sustentar sozinha a família fez com que muitas mulheres passassem a ingressar no mercado de trabalho com carteira assinada.

"É a questão, hoje, da volatilidade das famílias, dos casamentos. A mulher não pode mais ficar dependente financeiramente do companheiro", afirma.

Desigualdade no Brasil

Apesar dos índices que apontam uma evolução na presença da mulher no mercado de trabalho e nos salários, é importante lembrar que a disparidade nas remunerações em todo o Brasil ainda é grande.

Segundo a última Síntese de Indicadores Sociais do IBGE, o rendimento das mulheres em 2015 foi equivalente a 76% do dos homens. O rendimento médio do trabalhador brasileiro foi de R$ 2.012, no entanto, da trabalhadora foi de R$ 1.522. Em muitos casos, mulheres e homens cumprem a mesma função, mas recebem de forma diferente