Crescem adesões à greve geral de sexta-feira

Narley Resende


Thiago Machado, Metro Jornal Curitiba

Mais categorias de Curitiba e região decidiram ontem aderir à paralisação nacional que vem sendo convocada para sexta-feira. Motoristas e cobradores de ônibus da capital e RMC, representados pelo Sindimoc, anunciaram que vão participar dos protestos e que por isso a cidade pode atém ficar sem ônibus no dia. A mobilização é contra as propostas de reforma trabalhista e previdenciária, que estão tramitando no Congresso Nacional.

Também ontem os 2,5 mil funcionários da Cavo, que realizam a limpeza pública na cidade, decidiram cruzar os braços. Assim, a cidade deve ficar sem coleta e varrição de lixo na sexta-feira.

Os cinco sindicatos que representam os servidores públicos municipais também já haviam decidido, em assembleia conjunta na segunda-feira à noite, entrar na greve geral. O protesto pode afetar o atendimento nas escolas da rede municipal e também nas creches.

Os professores municipais também aprovaram o início de mais uma greve no dia 15 de maio – deste vez especificamente contra o pacote de ajuste fiscal da prefeitura, que tramita na Câmara Municipal. “Se os vereadores anteciparem o calendário, nós anteciparemos também a greve”, adianta a coordenadora do Sismmac, Irene Rodrigues.

Colégios públicos estaduais também devem ser afetados na sexta. “Estamos sob um intenso ataque aos nossos direitos. Não só nós, os professores e funcioná- rios de escola, mas também a sociedade brasileira, sem exceção”, diz o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão. “Temos que dizer que o povo brasileiro não aceita pagar a conta de qualquer crise. Porque não fomos nós que criamos a crise”, diz.

Sem títuloOutras categorias

Servidores das universidades federais também aderiram, assim como os funcionários do Hospital de Clínicas. Os sindicatos dos professores universitários da rede federal e estadual também aprovaram a greve.

Ainda devem cruzar os braços os servidores da rede de saúde estadual. Nas últimas greves, no entanto, os atendimentos não chegaram a ser afetados. O Sismuc, sindicato que representa o servidores municipais da saúde, também aderiu à paralisação.

Protesto

Na capital paranaense, o protesto tem a concentração marcada para as 9 horas de sexta-feira, na Praça Nossa Senhora da Salete, no Centro Cívico.

Categorias que devem se mobilizar

Asseio Cavo
Repar Petroleiros
Metalúrgicos RMC
Motoristas e cobradores
Bancários
Vigilantes
Postos combustíveis do centro Curitiba e principais bairros
Marmoreiros
Servidores Campo Largo
Professores estaduais
Professores Campo Largo
Professores municipais CTBA
Saneamento Sanepar
Alimentação PNGA
Metalúrgicos PNGA, Londrina, Maringá, Cascavel, Guarapuava, Irati, Pato Branco
Professores e técnicos Universidades Federais
Hospital de Clínicas (Sinditest / Andes)
Trabalhadores Saúde Estadual (Sindsaúde)
Servidores municipais e professores Araucária
Servidores Municipais São José dos Pinhais
Correios
Servidores municipais CTBA
Professores CTBA / Rede Municipal
Professores escolas particulares (Sinpropar)
Professores ensino superior rede particular (Sinpes)
Comerciários região central CTBA e SJP
Indústrias Têxteis
Indústrias Alimentação Bebidas
Servidores Alm Tamandaré
Professores e funcionários universidades estaduais
Servidores do Incra

Edição: Narley Resende 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="427062" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]