Cristiana Brittes diz que Daniel destruiu a vida dela e provocou a própria morte

Vinicius Cordeiro

cristiana brittes daniel

Cristiana Brittes disse que Daniel Corrêa Freitas destruiu sua família e provocou a própria morte. As declarações foram feitas em sua primeira entrevista durante o caso do assassinato do ex-jogador, exibida na madrugada desta terça-feira (10) pelo Conexão Repórter, do SBT.

“Eu não tive nenhuma responsabilidade na morte dele. Eu fui vítima do Daniel, fui importunada sexualmente por ele. A minha família foi destruída por ele”, declarou ela ao apresentador Roberto Cabrini.

Ao ser questionada sobre a crueldade da morte de Daniel, que teve seu órgão genital decepado e foi parcialmente degolado após ser espancado, Cristiana disse que nunca perguntou a Edison Brittes, seu marido.

“Eu procuro não pensar que meu marido fez isso. Tomado por ódio e por raiva, mas eu procuro não pensar. Nunca quis e não quero saber como foi”, afirma.

Além de negar consentimento para Daniel deitar em sua cama, Cristiana ainda afirmou que estava alcoolizada e agradece por flagrarem Daniel ao seu lado.

“Não sei o que aconteceria. Ele provocou a morte dele quando ele entrou no meu quarto, quando ele não respeitou minha casa, não respeitou minha cama, não me respeitou. Fui presa sem ter encostado nele, fui a primeira vítima daquela noite”, completa.

“TODOS QUE ESTAVAM NA CASA, LIMPARAM”, DIZ CRISTIANA

Ao relembrar os fatos da noite da morte de Daniel, que era a celebração do aniversário de 18 anos de Allana, sua filha mais velha, Cristiana disse sofrer muito com o “pesadelo”.

“Minha vida, de certa forma, acabou naquele dia. Eu fui presa. Eu perdi praticamente tudo, minha dignidade, minha honra”, desabafou.

Além disso, ela revelou que todos que estavam na casa participaram da limpeza do sangue de Daniel. “A casa não ficou exageradamente suja, tinham só gotas de sangue”, relatou.

Em relação à reunião que aconteceu em um shopping de Curitiba após a morte de Daniel, Cristiana confessou que Edison combinou que iria assumir o crime para “salvar os meninos”.

CRISTIANA NÃO RESPONDE POR HOMICÍDIO

caso daniel cristiana brittes júri popular liberdade tornozeleira réus caso daniel
Cristiana Brittes algemada durante a prisão. (Giuliano Gomes/PR Press/Folhapress)

Cristiana Brittes será julgada, pelo Tribunal do Júri, por envolvimento no caso Daniel, mas não responderá pela morte do ex-jogador. A Justiça do Paraná definiu, no final de fevereiro, que ela e sua filha, Allana, vão responder pelos crimes de fraude processual, corrupção de menor e coação no caso.

Cristiana foi solta em setembro, 11 meses depois de ser presa. Durante o tempo detida, ela ainda teve de ser transferida de presídio, assim como Allana, depois de receberem ameaças de outras detentas.

Em setembro de 2019, Cristiana conquistou liberdade condicional, com uso tornozeleira eletrônica, mas teve o monitoramento suspenso pela Justiça no mês seguinte. Desde então, ela voltou a morar na casa onde Daniel foi visto com vida pela última vez.

Já na semana passada, Cristiana Brittes foi à polícia e prestou queixa sobre uma foto íntima vazada durante o caso. Além disso, diz ter sido vítima de calúnia e difamação praticadas por veículos jornalísticos. Contudo, as investigações devem acontecer de forma paralela ao julgamento sobre o assassinato do ex-jogador Daniel.

OS RÉUS E AS ACUSAÇÕES NO CASO DANIEL

Confira os sete réus da morte de Daniel e por quais crimes cada um deles responde:

  • Edison Brittes: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Eduardo Henrique Ribeiro da Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor.
  • David William Vollero Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual.
  • Ygor King: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual.
  • Cristiana Brittes: fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Allana Brittes: fraude processual, corrupção de menor e coação.
  • Evelyn Perusso: fraude processual.

Previous ArticleNext Article