Quase 600 moradores de rua por noite foram atendidos no fim de semana mais frio do ano

Redação

inverno morador de rua morte frio curitiba Foto Ricardo MarajóFAS

A prefeitura de Curitiba acolheu uma média de 582 moradores de rua por noite neste final de semana, que registrou as temperaturas mais frias do ano. Nos dias que o frio não é tão intenso, aproximadamente 350 pessoas dormem nos abrigos do município.

Na sexta-feira (22), foram  579 pessoas foram acolhidas pelo município. No sábado, foram 572 pessoas atendidas. Já neste domingo, foram 596 acolhimentos.

Com a previsão da continuidade do frio, a FAS manterá ações intensificadas durante toda esta semana. Esse trabalho é desenvolvido sempre em que há previsão das temperaturas serem iguais ou abaixo de 9 graus.

14 equipes participam das ações, que acontece das 18 às 24 horas. Depois deste horário o trabalho é feito por sete equipes e segue o cronograma da Central de Encaminhamento Social, que funciona 24 horas.

A população também pode ajudar. Caso veja algum morador de rua desprotegido, ligue para 156 ou acesse o aplicativo Curitiba 156.

BALANÇO DA FAS EM CURITIBA

Durante as três noites, a FAS realizou 435 abordagens sociais a pessoas em situação de rua para oferecer acolhimento. Deste total, 142 delas foram solicitações por meio da Central 156. Em 42 situações, os educadores sociais estiveram no endereço indicado, mas já não havia ninguém no local.

De todos que foram abordados, 186 aceitaram acolhimento. Mesmo com frio e a equipe oferecendo atendimento, 237 pessoas se recusaram a ir para os abrigos, onde podem dormir em camas, tomar banho quente, receber roupas limpas e se alimentar, à noite e pela manhã.

Em função do estado de saúde, a FAS precisou acionar o Samu para atender uma pessoa abordada e encaminhou cinco para unidades de pronto atendimento (UPA). Por apresentarem sintomas de gripe, outras duas pessoas foram acolhidas em unidade de isolamento da FAS.

Por terem animais de estimação, nove pessoas foram abrigadas em unidades que possuem canis, e uma decidiu voltar para a família depois de conversar com os educadores sociais..

Previous ArticleNext Article