Curitiba prorroga até 10 de março medidas da bandeira amarela

A Prefeitura de Curitiba anunciou nesta quinta-feira (17) a prorrogação por mais três semanas das regras sanitárias previstas na bandeira amarela.

Redação - 17 de fevereiro de 2022, 17:56

Foto: Gilson Abreu/AEN
Foto: Gilson Abreu/AEN

A Prefeitura de Curitiba anunciou nesta quinta-feira (17) a prorrogação por mais três semanas das regras sanitárias previstas na bandeira amarela contra a Covid-19.

A bandeira amarela ficará ativa até ao menos o dia 10 de março.

A decisão foi tomada em conjunto pelo Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde.

Os indicadores da pontuação da bandeira caíram para 1,8, perto do limite da bandeira amarela com a laranja.

“Devemos seguir avaliando o cenário com cautela, temos a frente o período do carnaval, mesmo não sendo feriado aqui em Curitiba, sabemos que algumas pessoas vão acabar viajando e confraternizando, então é importante manter os cuidados e o estado de alerta nas próximas semanas”, explicou a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Seguem valendo medidas restritivas como a limitação de 70% do público em espaços públicos e privados de uso coletivos, assim como a recomendação da priorização do trabalho remoto ou virtual.

Segundo a Secretaria, a média móvel de casos apresentou queda de 56,4% nos últimos 14 dias, assim como os casos ativos (baixa de 19,5%).

Outro indicador positivo é a que a taxa de internamento em UTIs exclusivas para SRAG baixou da casa dos 84% em janeiro para a casa dos 50% em fevereiro.

Também apresentou queda a positividade dos exames para a Covid-19, que caíram de 51,8% para 46,9%, demonstrando como o vírus tem circulado menos na capital paranaense.

Confira abaixo as medidas restritivas da bandeira amarela em Curitiba:

Atividades suspensas

  • Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas, salvo em feiras livres e de artesanato;);

Atividades respeitando até 70% da capacidade de público prevista no
Certificado de Licenciamento do Corpo de Bombeiros (CLCB)

  • Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias, centros comerciais e shopping centers;
  • Atividades de prestação de serviços não essenciais, tais como escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, saunas, serviços de banho, tosa e estética de animais, floriculturas e imobiliárias;
  • Academias de ginástica e demais espaços para práticas esportivas individuais e coletivas;
  • Restaurantes, lanchonetes, panificadoras, padarias, confeitarias e bares;
    Lojas de conveniência em postos de combustíveis;
  • Comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões, distribuidoras de bebidas, peixarias, açougues, e comércio de produtos e alimentos para animais;
  • Mercados, supermercados, hipermercados e lojas de material de construção;
  • Parques infantis e temáticos;
  • Cinemas, museus, circos e teatros para apresentação musical ou teatral;
  • Casas de festas e de recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, salões de festas em clubes sociais e condomínios e estabelecimentos destinados ao entretenimento, tais como casas de shows, casas noturnas e atividades correlatas;
  • Eventos corporativos, de interesse profissional, técnico e/ou científico, como jornadas, seminários, simpósios, workshops, cursos, convenções, fóruns e rodadas de negócios;
  • Mostras comerciais, feirões e feiras de varejo;
  • Serviços de call center e telemarketing;
  • Igrejas e templos;
  • Eventos esportivos profissionais com público externo e de apresentação teatral ou musical em espaços abertos.

LEIA MAIS: Corpo de lutadora de MMA é encontrado em porta-malas de carro em Curitiba