Câmara ouve vereadora em processo de cassação nesta quinta-feira

Mariana Ohde


A vereadora Katia Dittrich (SD), conhecida como Katia dos Animais, será ouvida nesta quinta-feira (9) no processo que pode cassar seu mandato na Câmara Municipal de Curitiba. Com o depoimento dela e de mais sete testemunhas de defesa, a Comissão Processante encerra a fase de audiências hoje.

Katia é acusada de se apropriar de parte dos salários de funcionários e ex-funcionários de seu gabinete. Eles protocolaram a denúncia contra a parlamentar no dia 15 de agosto, na Mesa da Câmara Municipal de Curitiba e na presidência do partido Solidariedade. Os denunciantes apresentaram, na ocasião, comprovantes de depósitos bancários e termos de declaração em que afirmam terem sido demitidos depois de se recusarem a aceitar a prática.

Nesta quarta-feira (8), quatro denunciantes prestaram depoimento na Comissão Processante e dois não foram ouvidos pois não moram mais em Curitiba. A defesa da vereadora indicou nove testemunhas, das quais Salomão Sarraff e Thais Ramos depuseram também nesta quarta-feira.

No dia 27 de outubro, foram ouvidas Luciana Chucene, ex-chefe de gabinete, e Virginia Vargas da Costa, ex-assessora de imprensa, que também confirmaram as denúncias.

A defesa da vereadora tem sustentado que os repasses feitos pelos funcionários eram empréstimos e doações espontâneas para atividades de proteção a animais. Ao se pronunciar no plenário, em agosto, a vereadora afirmou que foi vítima de “um grande complô”, organizado pelo ex-vereador e suplente de Katia, Zé Maria, do mesmo partido.

O presidente da Comissão Processante, vereador Cristiano Santos (PV), diz que a expectativa é concluir a apuração e levar o caso para votação ainda neste ano.

“Nós não queremos atropelar etapas, não queremos correr o risco de criar qualquer ato injusto. A ampla defesa está e será garantida. Mas acredito que, mesmo sem atropelar etapas, não há motivo para se prolongar muito. Imagino que neste ano ainda haja conclusão. Nós temos mais 20 sessões até o final deste ano. Imagino que, até o final de 2017, a gente tenha a conclusão de tudo, inclusive a votação em plenário”, disse.

O prazo regimental para conclusão do processo de cassação é de 90 dias úteis, que se encerram em fevereiro. Nesta quinta-feira, quatro testemunhas de defesa serão ouvidas pela manhã (a partir das 10h) e mais três à tarde (a partir das 14h).

O depoimento da vereadora está marcado para as 15h30.

Outros casos

Após as denúncias contra Katia Ditrich, o vereador Thiago Ferro (PSDB) também foi denunciado por crime semelhante. Ele foi acusado de se apropriar de parte do salário de um funcionário que trabalhou com ele em uma rádio. Embora o caso não envolva dinheiro público, o funcionário fez a denúncia na Câmara Municipal, que confirmou uma investigação em agosto. O denunciante ainda não apresentou provas contra o vereador. Há, apenas, um depoimento prestado ao ouvidor Volmir Aguiar (PSC).

Alguns dias mais tarde, Geovane Fernandes (PTB), Rogerio Campos (PSC) e Osias Moraes (PRB) também foram acusados. Os casos estão sendo apurados pela Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público do Ministério Público Estadual (MP-PR), sob sigilo. O órgão pediu à Câmara o envio de documentos, que forneceu as informações ainda em agosto.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal