Parte de escultura é roubada na Bienal de Arte de Curitiba

Mariana Ohde


MARIA LUÍSA BARSANELLI E MAURÍCIO MEIRELES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

Uma parte da escultura “Original Sin”, do artista chinês Liu Ruowang, que estava exposta na Bienal de Arte de Curitiba, foi roubada nesta semana na capital paranaense – os organizadores ainda não sabem dizer a data exata do roubo.

Um boletim de ocorrência foi registrado, neste sábado (17), no 2º Distrito Policial da cidade. Com comprimento e largura de quase três metros, a obra é uma escultura em resina de um livro com uma figura semelhante a um macaco deitada em cima dele. Foi o macaco a parte levada pelos criminosos. Ela estava exposta na parte externa do Museu Oscar Niemeyer, um dos espaços que recebe as exposições da Bienal.

A escultura não tem sinais de depredação, o que faz os organizadores da mostra e a polícia suspeitarem que o macaco tenha sido retirado com o uso de ferramentas, um processo que poderia levar uma ou duas horas – o que significa que o ladrão teve tempo para cometer o furto.

A partir desta segunda (19), a Polícia Civil vai consultar as câmeras de segurança do museu para tentar identificar o suspeito. A segurança da mostra é feita por uma empresa terceirizada, a Emparseg. Ainda não se sabe se as imagens do roubo foram captadas, mas Luiz Ernesto Meyer Pereira, presidente da Bienal de Curitiba, disse à Folha de S.Paulo que ela havia sido colocada naquele espaço por orientações da segurança, justamente por ficar numa área coberta pelas câmeras.

“Dá para ver que a pessoa não foi lá apenas uma vez, houve todo um estudo para retirar [a escultura] com cuidado, porque o que ficou não foi danificado”, diz Pereira. O presidente da Bienal afirmou ainda não poder estimar o valor da escultura, mas disse tratar-se de uma obra “valiosa”.

“É uma obra valiosa, um artista extremamente conhecido, que faz parte de coleções em vários países. É uma tristeza que isso tenha ocorrido.”

Crítica

No começo do mês, a obra havia sido alvo de críticas do deputado estadual Ricardo Arruda (PEN-PR), missionário da Igreja Mundial do Poder de Deus, em vídeo postado em sua página no Facebook. O político dizia tratar-se de “um macaco” em cima da Bíblia.

“Não será uma inversão de valores contrariando a teoria de que criou o mundo e nos deu a vida foi Deus, colocando um macaco em cima da Bíblia? Não seria um desrespeito a quem é cristão?”, dizia ele.

Procurado, Arruda disse à reportagem que não sabia, então, que se tratava de um trabalho chinês e que só soube do roubo neste sábado (17). Questionado se seu vídeo poderia ter ligação com o sumiço, disse acreditar que não. “Não acho que uma pessoa normal iria retirar isso. Isso é roubo. Acho que isso é mais uma coincidência.”

Antes de criticar Pecado Original, porém, Arruda já havia se queixado de outra exposição do Museu Oscar Niemeyer: “Vestidos em Arte – Os Nus nos Acervos Públicos de Curitiba.” Após reclamações, o Ministério Público do Paraná recomendou que a mostra avisasse aos visitantes do seu conteúdo e não permitisse o acesso de crianças desacompanhadas.

O presidente da Bienal de Curitiba evita relacionar o vídeo do pastor ao roubo. “Não posso fazer acusação alguma. [O vídeo] está na internet. Prefiro que todos tenham acesso e possam manifestar sua opinião. Ele não deixou nenhuma dúvida sobre sua opinião”, diz.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal