70 mil curitibanos já receberam a vacina contra a gripe

Mariana Ohde


Cerca de 70 mil pessoas já receberam a vacina contra a gripe em Curitiba desde segunda-feira (17), segundo dados da Secretaria Municipal da Saúde. Os idosos foram os que mais procuraram os postos de saúde: foram aplicadas 47.748 doses neste grupo, que corresponde a 23,8% do total da população idosa (200.899).

Já as puérperas (mães até 45 dias depois do parto) foram as que mais se vacinaram proporcionalmente. Foram vacinadas 923 das 3.060 mulheres, 30,2%.

Também foram aos postos de saúde tomar a vacina 7.339 crianças (7,2%) e 2.130 gestantes (11,4%). Profissionais da saúde foram 3.088 e 3.545 professores também tomaram a vacina.

Campanha de vacinação

A vacinação segue até 26 de maio. A mobilização nacional está marcada para 13 de maio, um sábado. A vacina desta campanha é trivalente, com componentes dos vírus H1N1, H3N2 e B. As doses estão disponíveis nos postos de saúde para pessoas mais suscetíveis a desenvolver complicações devido ao vírus:

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos 11 meses e 29 dias);
  • Gestantes;
  • Puérperas (até 45 dias após o parto);
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medida socioeducativas;
  • População privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional;
  • Trabalhadores da saúde;
  • Povos indígenas;
  • Idosos com 60 anos ou mais;
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • Professores das escolas públicas e privadas.

Cuidados

Mesmo estando em um dos grupos suscetíveis, o Ministério da Saúde orienta as pessoas que tomaram vacina da dengue a esperar 30 dias para se imunizar contra a gripe.

A vacina contra a gripe é contraindicada para pessoas com histórico de reação anafilática prévia ou alergia a ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina. Reações anafiláticas em doses anteriores também contraindicam as doses subsequentes.

Em doenças febris agudas, moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina manifestações da doença.

Em caso de ocorrência da Síndrome de Guillain-Barré (SGB), doença autoimune que leva à inflamação dos nervos, no período de até seis semanas após uma dose anterior, recomenda-se realizar avaliação médica criteriosa sobre o benefício e risco da vacina antes da administração de nova dose.

Pneumonia

A vacina da gripe não tem relação com a da pneumonia. O Ministério da Saúde libera aos estados dois tipos de vacina Pn23, para adultos, e Pn10, para crianças.

Os adultos só podem se vacinar contra a pneumonia com prescrição médica, desde que apresentem quadros de imunossupressão ou outra doença crônica, conforme o Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais, editado pelo Ministério. Portanto, a imunização contra pneumonia não é feita indiscriminadamente, com a da gripe.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="426418" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]