Aumento da passagem evitará greve, diz presidente da Urbs

Julie Gelenski


Com Metro Jornal Curitiba

A Comissão de Serviço Público da Câmara Municipal recebeu ontem o presidente da Urbs, José Antonio Andreguetto, para ouvir explicações sobre o aumento da passagem de ônibus em Curitiba. Uma decisão cautelar do TCE-PR (Tribunal de Contas do Estado do Paraná) divulgada na segunda-feira determinou a volta ao preço anterior (de R$ 3,70), mas a prefeitura recorreu e manteve o valor em R$ 4,25.

Nesta quita-feira (16) o TCE avalia em plenário a cautelar e pode definir uma punição contra a prefeitura.

Convidado à Câmara para esclarecer o caso, o presidente da Urbs defendeu que o aumento vai trazer uma folga para o fundo de transporte da Urbs, que estaria ‘falido’. “O reajuste servirá evitar uma possível greve dos funcionários por falta de pagamento do vale”, disse.

Os motoristas e cobradores pediram, neste ano, um aumento de 15% nos salários. Por enquanto a Urbs faz suas projeções levando em conta um reajuste de 6% – equivalente à inflação do período. O índice vai ser definido apenas no final deste mês, mas o reajuste será retroativo para o início de fevereiro.

Além dos salários, a Urbs destaca que quer renovar a frota. “Queremos 270 novos ônibus circulando e comprar 24 novos biarticulados”, disse Andreguetto.

Disputa

Em 2013 a Câmara realizou uma CPI para investigar o transporte coletivo em Curitiba. A conclusão foi de que itens deveriam ser retirados do cálculo da tarifa – caso do imposto de renda e contribuição social das empresas, do seguro em caso de acidentes (Segbus), de gastos com vigilância de terminais de ônibus e de recursos do fundo assistencial de motoristas e cobradores.

O relatório foi enviado ao Ministério Público, mas na última semana foi arquivada a investigação, que concluiu que não há indícios de irregularidades na licitação feita em 2010.

Na quarta-feira (15) o vereadora Noemia Rocha (PMDB) citou a CPI e qualificou o aumento de ‘abusivo’. “Eu participei da CPI e estudei o relatório do vereador Bruno Pessuti (PSD)”, destacou.

Previous ArticleNext Article