‘Balada Protegida’ fecha mais três bares, desta vez no São Francisco e Juvevê

Fernando Garcel


Com BandNews FM Curitiba

Três bares com documentação irregular foram fechados na segunda fase da Operação ‘Balada Protegida’. Depois de fechar cinco estabelecimentos na região da Avenida Vicente Machado e Terminal do Guadalupe, a ação teve como foco a região do São Francisco e do Juvevê. Todos os locais podem reabrir após regularizar a situação. Um bar foi fechado no Centro porque estava com o alvará vencido.

Greca esvazia bares da rua onde mora
> Grupo marca ‘Balada Protegida’ em frente à casa de Greca após ação polêmica

No São Francisco, um comércio foi interditado porque não tinha autorização para oferecer música ao vivo. No Juvevê, um bar fechado só poderá voltar a funcionar se apresentar alguns documentos necessários para o alvará, como a licença ambiental e a vistoria do Corpo de Bombeiros.

Essa operação integrada começou por volta das oito horas da noite. Participaram equipes das secretarias municipais de Defesa Social e Trânsito, Urbanismo, Meio Ambiente, Vigilância Sanitária, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Conselho Tutelar e FAS.

O Secretário Municipal da Defesa Social, Algacir Mikalowski, afirma que a ação busca atender uma demanda de parte da população e dos próprios comerciantes que trabalham em situação regular. O foco das operações está em regiões que reúnem um número significativo de estabelecimentos comerciais. “Nós estamos focando locais em que houve grande demanda da população e dos comerciantes que cumprem a legislação. As pessoas querem sair para uma festa e usufruir da cidade, mas querem se sentir seguras. Segurança pública é um direito das pessoas”, declarou Mikalowski.

O objetivo da ação, segundo o secretário, é aumentar a segurança dos bares e demais estabelecimentos comerciais que funcionam durante a noite. Além do comércio, Mikalowski diz que a ação também fiscaliza as pessoas que estão nas ruas e os motoristas. “As pessoas querem consumir alimentos e saber que eles não estão contaminados. Eles querem saber que o segurança que está trabalhando não é um segurança ilegal. Eles querem saber se o estabelecimento tem alvará para funcionar. Estamos, simplesmente, dando para as pessoas uma resposta para a demanda que a própria população, ou as nossas secretarias, nos cobram”, disse o secretário.

Estabelecimentos reabrem e Vicente Machado tem noite “normal” após ação da prefeitura

Apesar de a Operação Balada Protegida dividir opiniões, o secretário afirma que a ação tem apoio popular. A primeira fase da Operação Balada Protegida aconteceu na Avenida Vicente Machado, na quinta-feira da semana passada, dia 12. Cinco estabelecimentos com alvarás irregulares foram fechados.

Foram apreendidas aproximadamente novecentas carteiras de cigarro, além de mil DVDs piratas e pouco menos de um grama de maconha. Além dos estabelecimentos fechados, cerca de seiscentas pessoas e trinta veículos foram abordadas na ação.

Um dia depois da primeira fase da Operação Balada Protegida, um protesto foi marcado em frente da casa do prefeito Rafael Greca (PMN). Os manifestantes contrários a estas ações da prefeitura se reuniram na Avenida Vicente Machado, já que o prefeito mora na mesma região onde aconteceu a primeira ação de fiscalização. O evento contou com mais de cinco mil confirmações pelas redes sociais.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="409380" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]