Bebês quadrigêmeas nascem em Curitiba

Fernando Garcel

Redação com BandNews FM Curitiba

Acontecimento raro na medicina, uma curitibana de 32 anos deu à luz às primeiras quadrigêmeas de 2018. Helena, Clara, Giovanna e Luíza nasceram em um intervalo de seis minutos durante um parto de cesárea no Hospital Santa Brígida, em Curitiba, na manhã de quinta-feira (18). O quadro das meninas é estável e elas devem receber alta em 30 dias após ganhar peso. O nascimento de quádruplos ocorre, em média, uma vez a cada 500 mil nascimentos.

De acordo com o pai, Magnus Cardoso Demanan, de 43 anos, o casal soube da gestação múltipla no começo da gestação. “Foi um choque no começo. Agora a gente não vê a hora de ter elas no colo. A gente está em êxtase. É uma coisa que eu não tinha noção de como funcionava, a gente só pensa nelas… sonha com elas. É uma sensação indescritível”, conta.

A primeira a nascer foi Helena, que veio ao mundo às 7h52, em seguida, às 7h54, nasceu Clara. Depois, às 7h56, chegou a Giovanna e por último, às 7h58, Luíza. Juntas, elas pesam 7 quilos – a mais pesada tem um quilo e novecentos gramas. A mais leve, 1 quilo trezentos e cinquenta. A família recebeu ajuda de amigos e familiares para montar o enxoval e agora comemora a chegada do quarteto.

A mãe, Nikolle Ronchi, diz que não fez tratamento para engravidar, mas tomou medicamento para induzir a ovulação e tratava um problema de ovário policístico. Agora, vive a ansiedade de poder pegar as bebês no colo e voltar com elas para casa. “Agora, o que a gente mais quer é que elas se recuperem logo e vão pra casa com a gente. Elas ganhando dois quilos, se recuperando bem e conseguindo mamar já conseguem alta”, esclarece a mãe.


Na Maternidade Santa Brígida a última ocorrência de quadrigêmeos foi há 13 anos. Segundo o Diretor Técnico da Maternidade, Dr. Antônio Paulo Mallmann, foi preciso fazer uma cirurgia durante a gestação, para evitar um parto muito prematuro. “É muito comum desencadear o trabalho de parto prematuro ou o rompimento da bolsa. Foi feito uma cirurgia, durante o pré-natal, no segundo para o terceiro mês, para fechar o colo. Existe uma pressão, que pode dilatar o colo e o neném ser expulso”, conta o médico.

O nascimento foi entre as semanas 33 e 34 da gestação. As meninas seguem internadas para ganhar peso e fortalecer os pulmões. A mãe das bebês deve receber alta nos próximos dias.

Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook