Curitiba retoma ‘espírito de Natal’ e investe R$ 1,2 mi em decoração

Narley Resende


Depois de pelo menos quatro anos sem equipamentos públicos decorados para o Natal, a prefeitura de Curitiba voltou a investir recursos na decoração. Até agora, foi publicado em Diário Oficial, o gasto público de R$ 424 mil em lâmpadas, estrelas, estruturas de ferro, vasos de cerâmica e outros adereços.

O prefeito Rafael Greca (PMN) abriu oficialmente, na noite desta quarta-feira, no Largo da Ordem, o Natal de Curitiba. Foi ligada a iluminação do primeiro pinheiro de Natal.

Durante todo o mês, Curitiba terá na programação oficial um ou mais eventos relacionados à celebração natalina.

A maior parte da decoração – garante a prefeitura – é paga pela iniciativa privada, com participação de patrocinadores como Caixa Econômica Federal, Hipermercados Condor e Volvo.

No total, somando cerca de R$ 800 mil da iniciativa privada, a decoração de Natal nos equipamentos públicos, ficou em R$ 1,2 milhão.

Para a presidente do Instituto Municipal de Turismo, Tatiana Turra, há dois principais argumentos para se investir na decoração: o econômico e o social.

“Tradicionalmente, Curitiba sempre foi um destino turístico no final do ano. Nos últimos anos veio perdendo um pouquinho esse espaço e o objetivo é resgatar. Este ano a gente conquistou esses patrocinadores e demais grupos voluntários para formar um calendário extenso de programação. Então, todo dia temos atrações. Muitas delas são voluntárias. É resgatar um espírito natalino e envolver toda a cidade nesse contexto. Economicamente a gente estima mais de 130 milhões de reais de movimentações nesses próximos dias na cidade em turismo, serviços e comércio em geral”, calcula.

Natal em Curitiba Em comparação, segundo o Instituto Municipal de Turismo, Maringá, no Noroeste do Paraná, gastou R$ 6 milhões. Gramado, no Rio Grande do Sul, que no passado teria se inspirado em Curitiba para decorar a cidade para o Natal, gastou neste ano R$ 20 milhões.

Tatiana Turra ressalta que o investimento traz retornos práticos para a cidade. “A gente vê outros destinos se destacando nessa área do turismo para o mesmo período. A cidade já tem isso. É incrível o quanto as pessoas demandam por programação. A gente já tem essa demanda em janeiro. A gente recebe consultas de agências de viagens e operadoras já demandando a programação do final do ano, para organização de grupos, etc. Então é um investimento”, aponta.

Mas não a “custo zero”

O vereador Pier Petruziello, líder do prefeito na Câmara Municipal, chegou a dizer no início da semana que o Natal seria a ‘custo zero’ para a cidade. Desmentido pelo vereador Goura, do PDT, líder da oposição, Pier se retratou ao dizer que o dinheiro público veio do Instituto de Turismo de Curitiba.

“Muitos patrocinadores para a cidade de Curitiba, uma articulação muito forte do prefeito com os empresários que entenderam o momento da cidade para patrocinar o importante Natal que vai gerar muito turismo na cidade de Curitiba, fortalecer o comércio”.

“O ‘custo zero’ eu me refiro, na verdade, de ter saído 300 mil reais do Instituto Municipal de Turismo, que é o instituto da cidade, que é do turismo, que promove os eventos”

O vereador Goura, líder da oposição na Câmara, reconhece as vantagens ao turismo e ao comércio, mas reclama de uma carência de prioridades e falta de transparência.

“O líder do prefeito se manifestou colocando que pela primeira vez a prefeitura não gastaria um real nas festividades de Natal. Rapidamente a gente juntou alguns dados que mostravam que, na verdade, estão sendo gastos, empenhados, 424 mil reais para aquisição de árvores de Natal, estrelas decorativas, vasos de cerâmica, vasos de ferro. Além, é claro, de pensar todo o custo de mão de obra de servidores. Acho que é uma questão de transparência”, questiona.

“A segunda crítica que se coloca é uma questão de prioridades de fato, principalmente neste ano. A gente analisou muito a questão das escolas, postos de saúde. Tem escolas onde está faltando papel higiênico. Onde as crianças tem uma limitação para o uso de papel higiênico ao mesmo tempo em que se gasta com uma festa religiosa. É óbvio, tem o interesse turístico, o potencial turístico. A terceira crítica é que a gente tem um Estado laico onde a gente tem dinheiro público destinado de maneira específica a uma manifestação religiosa”, critica.

A partir desta quinta-feira (23) as praças Osório e Santos Andrade, no Centro de Curitiba, voltam a receber as tradicionais feiras de Natal. Neste ano, 75 barracas vão oferecer opções de presentes artesanais, decorações natalinas e gastronomia.

A programação completa das celebrações oficiais está no site natalcuritiba.com.br.

Previous ArticleNext Article