Curitiba tem 755 alunos estrangeiros em escolas municipais

Narley Resende


Na região central de Curitiba, a Escola Municipal Professor Brandão atende estudantes de 15 nacionalidades, vindos de países e culturas diversas. São de países como Portugal e China, Haiti e Estados Unidos, Japão e Grécia. Localizada no Alto da Glória, a unidade espelha uma realidade que se estende para toda a rede municipal de Curitiba.

Ao todo, são atendidos na rede 755 crianças e adolescentes estrangeiros, de 44 nacionalidades – um cenário que traz lições de diversidade para a comunidade escolar e que exige da Secretaria Municipal da Educação um trabalho especial de assessoramento para estudantes e profissionais envolvidos com a escolarização do imigrante.

Os 755 estrangeiros estão distribuídos em 203 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs). O levantamento, divulgado nesta quinta-feira (30) feito por assessores estatísticos de Departamento de Planejamento e Informação da Secretaria Municipal da Educação, indica um crescimento no número de matrículas de estudantes nascidos fora do país ou de filhos de estrangeiros. Ele servirá de base para reforçar as ações de inclusão que já são desenvolvidas na rede municipal de ensino.

“O levantamento é um diagnóstico que identifica características e regiões da cidade onde há maior concentração de estudantes estrangeiros. São dados fundamentais para que possamos preparar os profissionais da educação para uma demanda muito especifica, que tem aumentando e precisa ser atendida a partir dos princípios de equidade que norteiam a rede de ensino do município”, diz o diretor do Departamento de Planejamento e Informação, Leandro Jiomeque.

Na imagem, Verônica Giraldo, mãe de Juan e de Juanita Arbelaez Giraldo. Foto: Divulgação
Verônica Giraldo, mãe de Juan e de Juanita Arbelaez Giraldo. Foto: Divulgação

Os haitianos formam o maior grupo de estrangeiros na rede. São 59 crianças de 0 a 5 anos recebendo atendimento em período integral nos CMEIs e 63 estudantes em turmas do ensino fundamental, nas escolas. A eles se somam os adultos atendidos pelo projeto Haiti, que oferta curso instrumental de língua portuguesa para homens e mulheres que já têm escolarização, mas que precisam aprender o idioma. Quase 400 haitianos já foram certificados desde 2013, quando o projeto foi criado.

Países

Também são numerosos os estudantes nascidos no Japão ou filhos de japoneses que vieram viver no Brasil;  são 108 matrículas distribuídas em 104 escolas e quatro CMEIs. Há também estudantes de Portugal, Estados Unidos, Espanha, Paraguai, Grã-Bretanha, Itália, Colômbia, Argentina, Peru, Angola, Congo, China, Venezuela, França, Síria, Chile, Bolívia, Uruguai, República Dominicana, Equador, Honduras, Bélgica, Moçambique, Rússia, México, Suíça, Canadá, Andorra, Alemanha, Índia, Cabo Verde, Quênia, Roménia, Irã, Cuba, Holanda, Nigéria, Coréia do Sul, Nova Zelândia, Austrália, África do Sul e Grécia.

A presença de estrangeiros é maior em unidades escolares em bairros das regionais Cajuru (124) e CIC (102). Os 755 estudantes estão divididos entre estrangeiros com famílias estrangeiras (69%), filhos de pais brasileiros, mas nascidos fora do país (20%), alunos que possuem ao menos um responsável estrangeiro (10%) e brasileiros naturalizados, que correspondem a 1%.

A rede municipal de ensino de Curitiba tem atualmente 755 crianças e estudantes estrangeiras recebendo atendimento em 203 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).

A rede municipal de ensino de Curitiba tem atualmente 755 crianças e estudantes estrangeiras recebendo atendimento em 203 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).
A rede municipal de ensino de Curitiba tem atualmente 755 crianças e estudantes estrangeiras recebendo atendimento em 203 escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs).

 

 

Previous ArticleNext Article