camara municipal
Compartilhar

Delegacia superlotada do Centro de Curitiba tem fuga em massa

Da BandNews CuritibaDezoito presos fugiram do 1º Distrito Policial, no Centro de Curitiba, na madrugada desta segunda-fe..

Andreza Rossini - 22 de maio de 2017, 10:05

Da BandNews Curitiba

Dezoito presos fugiram do 1º Distrito Policial, no Centro de Curitiba, na madrugada desta segunda-feira (22). Até agora, apenas cinco foram recapturados. Há anos a carceragem é conhecida pela superlotação de detentos. Com espaço para quatro homens, as celas estavam com 33 no momento da fuga, que foi por volta das 3h, quando apenas dois policiais estavam de plantão.

ANÚNCIO

Um agente, que prefere não se identificar, admite que a lotação além da capacidade é algo recorrente no 1º DP. Segundo ele, alguns presos são mantidos em salas trancadas, o que evidencia a fragilidade do local.

"Não tem resistência. As paredes são frágeis, eles já tentaram diversas outras vezes", afirmou.

Outros problemas

(Foto: colaboração/WhatsApp) (Foto: colaboração/WhatsApp)

ANÚNCIO

Em 2015, veio à tona a informação de que os presos eram obrigados a utilizar embalagens vazias de marmita para as necessidades fisiológicas, já que não há banheiros suficientes. Aos policiais civis, restava retirar as fezes das celas, o que configura desvio de função.

No mesmo ano, de acordo com o governo estadual, quase 10 mil presos estavam mantidos em delegacias no Paraná, sendo que a capacidade era de 4.235 homens. O acesso público ao Sistema Integrado de Gestão de Execução Penal, no site do Departamento Penitenciário (Depen), onde constam dados como esse, está desativado há meses.

A assessoria de imprensa do Depen informa que esse levantamento é de responsabilidade da Polícia Civil. Sendo assim, a reportagem aguarda uma resposta atualizada do órgão para informar quantos presos seguem, de forma irregular, em delegacias, sendo que deveriam ter sido transferidos para o sistema prisional.

Pela Lei de Execuções Penais, o preso pode ficar custodiado em distritos por, no máximo, 72 horas. A reportagem também espera um posicionamento da Secretaria de Estado da Segurança Pública.