Greve dos bancários: cerca de 200 agências paralisam atividades em Curitiba

Mariana Ohde


Da BandNews Curitiba

No primeiro dia de greve dos bancários em Curitiba, oito centros administrativos e 194 agências paralisaram as atividades, mobilizando 40% dos bancários em todos os bairros da região central da capital. O balanço é do sindicato da categoria.

A greve também abrange as cidades da Lapa, Campo Largo e parte de São José dos Pinhais, além dos bairros Parolin, Hauer, Uberaba, Boqueirão e toda a Av Kennedy, na capital.

O sindicato representa cerca de 18 mil bancários de Curitiba e região metropolitana, que trabalham em 532 agências e 11 centros administrativos.

O principal problema encontrado por clientes no primeiro dia de greve em todo o país é a falta de envelopes para depósitos em agências. De acordo com o Procon, a Caixa Econômica Federal é o banco mais reclamado sobre o tema. Neste ano, a Caixa fez um acordo com o sindicato dos bancários para garantir que as principais agências disponibilizem envelopes aos clientes. Em algumas, os envelopes são retirados porque não há funcionários para coleta. Em outros bancos, na maioria privados, o serviço é terceirizado, mas mesmo assim são bancários que concluem o procedimento.

Algumas agências também já tiveram falta de cédulas em caixas eletrônicos. Segundo o sindicato, as cédulas de dinheiro não costumam faltar no início da greve. Com o aumento da adesão, porém, é possível que algumas agências não tenham dinheiro.

Além disso, alguns clientes desavisados não puderam contar com serviços que estão totalmente suspensos.

Em Curitiba e na maior parte das grandes cidades, a decisão pela paralisação ocorreu em assembleias na noite da última quinta-feira (1). Nas demais cidades, na sexta-feira (2). A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou proposta de reajuste de 6,5% dos salários, abaixo da inflação de 9,5%. No entanto, os bancários pedem reajuste salarial de 14,78%, com ganho real de 5%.

Clientes

A greve não afasta a obrigação do consumidor de pagar faturas, boletos bancários ou qualquer outra cobrança. As empresas credoras, por outro lado, são obrigadas é oferecer outras formas e locais para que os pagamentos sejam efetuados.

A recomendação do Procon é que o consumidor entre em contato com a empresa para solicitar opções de formas e locais para pagamento, como internet, sede da empresa, casas lotéricas, código de barras para pagamento nos caixas eletrônicos, dentre outros.

As pessoas que têm contas atrasadas de tarifas públicas como água, telefone, e energia, devem ligar para as empresas e negociar uma forma de pagamento. O consumidor que tem conta para pagar e não dispõe de cartão para uso do caixa eletrônico, pode recorrer às agências lotéricas e até mesmo lojas de departamentos que aceitem pagamentos.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal