Integrantes do MST montam acampamento em frente ao Incra, em Curitiba

Mariana Ohde


Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que participam da Jornada Nacional das Lutas de Outubro, iniciada ontem (16), realizaram uma passeata nesta manhã (17), em Curitiba. Segundo o movimento, duas mil pessoas participam do protesto.

Os manifestantes se reuniram na Praça 29 de Março e seguiram até a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na Rua Doutor Faivre, no Centro. Eles montaram um acampamento no local.

Os integrantes do MST ocupam, desde ontem, sedes do Incra e órgãos relacionados à política agrária, além de latifúndios improdutivos em nove estados e no Distrito Federal. Segundo o movimento, o objetivo é “denunciar o desmonte da política de Reforma Agrária e cobrar restituição de seus orçamentos”.

De acordo com o MST, a jordana mobiliza cerca de 10 mil pessoas nos estados de Mato Grosso, Goiás, Alagoas, Pernambuco, Tocantins, Bahia, Sergipe, Ceará e Paraíba, além do Distrito Federal. Foram ocupadas onze unidades do Incra até a noite desta segunda-feira.

“De 16 a 20 de outubro estamos em jornada unitária dos movimentos do campo que tem como objetivo pressionar o governo federal para restabelecer com prioridade o orçamento da política agrária”, revela Atiliana Brunetto, da coordenação nacional do MST.

Segundo ela, os trabalhadores querem “o descontingenciado do orçamento de 2017 e a recomposição para o de 2018.” A Jornada de Lutas de Outubro envolve, também, as Centrais sindicais, como CUT e, CTB, e movimentos do campo, MPA, CONTAG, MMC e MAM.

Outra reivindicação é relacionada à qualidade dos alimentos produzidos no país, que privilegia a utilização do agrotóxico e, com isso, ameaça a saúde da população, segundo Alexandre Conceição, também da coordenação nacional do MST.

Brasília

No Distrito Federal, o MST ocupou, desde as 5h, o térreo do edifício-sede do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, na Esplanada dos Ministérios.

De acordo com líderes do movimento, mil pessoas provenientes do Distrito Federal, Minas Gerais e Goiás participam da mobilização.

“A jornada tem um único objetivo: exigir do governo o descontingenciamento do orçamento da reforma agrária e da agricultura familiar de 2017 e a reabertura do orçamento de 2018 [quanto às mesmas rubricas]. A proposta que o governo tem submetido ao Congresso é o desmonte total das duas áreas. Em alguns programas, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o corte passa de 90%”, diz Alexandre Conceição.

Conceição também informa que é esperada a adesão de quilombolas e indígenas ao ato “unitário do campo”.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal