Justiça fecha bar que homenageava traficante colombiano em Curitiba

Fernando Garcel


Atendendo ao pedido do Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da Promotoria de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente de Curitiba, a 12ª Vara Cível de Curitiba decretou a interdição de um bar que homenageava o traficante colombiano Pablo Escobar no bairro São Francisco, em Curitiba. Na ação civil pública, o bar responde por danos ambientais, poluição sonora e falta de documentos necessários ao seu funcionamento.

De acordo com o MPPR, uma denúncia anônima de um dos vizinhos do estabelecimento teria reclamado de festas realizadas nos finais de semana, com muito barulho, “gritarias, bebedeiras, quebras de garrafas, brigas inclusive usando armas e pichadores”. A reclamação também mencionava o bloqueio da calçada com mesas e cadeiras.

> ‘Balada Protegida’ aplica 174 multas em uma noite
‘Balada Protegida’ fecha mais três bares, desta vez no São Francisco e Juvevê

As investigações constataram que o local não tinha alvará de localização e funcionamento, nem certificado de vistoria do Corpo de Bombeiros. Além disso, havia mais de quarenta ocorrências envolvendo o bar, segundo registro da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu).

Pablo Escobar
Wagner Moura vive Pablo Escobar em série homônima. Foto: Divulgação / Netflix

Na ação, a Promotoria ressalta que mesmo com a atuação do poder de polícia da administração pública municipal, o estabelecimento persistiu com suas atividades de maneira ilegal.

Na decisão liminar, a Justiça decretou a interdição temporária do bar, a expedição imediata de ofício ao Comando-Geral da Polícia Militar do Paraná, para fiscalização do cumprimento da decisão judicial, além de fixar multa diária de R$ 25 mil em caso de descumprimento. Na ação, o MPPR pede, ainda, que o estabelecimento deixe de desenvolver atividades nos moldes atuais, uma vez que não há documentação para isso, e que pague indenização pelos danos causados ao meio ambiente e pelo dano moral ambiental, em valor a ser determinado pela Justiça.

O proprietário do estabelecimento foi procurado, mas não se manifestou até a publicação.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="429728" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]