Moradores darão abraço simbólico na Praça do Japão contra obras

Fernando Garcel


Redação com Joyce Carvalho | CBN Curitiba

Moradores e comerciantes da região da Praça do Japão, aqui em Curitiba, realizam neste domingo (18) um abraço simbólico no local. A ação faz parte do movimento SOS Praça do Japão, que pretende evitar que sejam promovidas obras na praça para a implantação do Ligeirão Norte-Sul.

A mobilização está marcada para as 9h30, segundo Acef Said, coordenador da comissão SOS Praça do Japão e presidente do Conselho Comunitário de Segurança, o Conseg, do bairro Batel.

Faixas foram colocadas nos prédios que ficam no entorno da praça, como forma de chamar atenção para a intervenção. O movimento de moradores, comerciantes e representantes de entidades da região começou em 2012, quando houve a primeira sinalização para mudanças na Praça do Japão para a implantação do Ligeirão. Com a retomada do projeto, a discussão reacendeu.

Os ônibus devem parar inicialmente na estação-tubo Bento Viana para o desembarque de passageiros e contornar a Praça do Japão para retornar à Avenida Sete de Setembro, parando novamente na estação-tubo, mas no sentido Santa Cândida.

Said garante que haverá programação em todos os domingos para o recolhimento de assinaturas de um abaixo-assinado. “O nosso objetivo é chegar a 50 mil [assinaturas]. Em 2011 para 2012, nós coletamos 22 mil assinaturas e fomos à Câmara de Vereadores. Agora, nós queremos 50 mil assinaturas então todos os domingos nós vamos estar ali”, conta.

Mobilização

Said ainda informou que uma comissão de moradores e comerciantes vai até a Câmara de Vereadores na próxima quarta-feira para discutir o assunto.

“Nós não queremos nenhuma obra no entorno por entender que isso vai impactar na região, no comércio, em quem mora ali. Não tem estrutura para um ligeirão fazer o contorno de forma segura”, afirma o coordenador do movimento SOS Praça do Japão.

Relembre

De acordo com o presidente do Instituto de Pesquisa Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Luiz Fernando Jamur, após audiências públicas, o projeto foi  apresentado em 2011. As obras foram iniciadas em 2014, no entanto, a medida que amplia o transporte público não foi implantado.

Segundo Jamur, a implantação do Ligeirão que deve ligar o Terminal Santa Cândida a estação-tubo Bento Viana, vai reduzir em 50% o tempo percorrido pelos ônibus. O Ligeirão deve atender cerca de 36 mil pessoas por dia. A expectativa da Prefeitura é que 40% dos usuários da linha que sai do Santa Cândida e vai até o Capão Raso utilizem os 25 novos ônibus biarticulados.

Quando a Prefeitura Municipal informou que o projeto seria retomado, o Conselho de Segurança do Batel (Conseg) entrou com um pedido de ação civil pública no Ministério Público do Paraná. O conselho pede que qualquer alteração na região seja feita por meio de audiências públicas. O presidente do Ippuc ressaltou que as obras não vão afetar a praça.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="485058" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]