Motoristas do Uber denunciam agressões

Redação


Um grupo de 20 motoristas do Uber foi nessa segunda-feira (9) até a Câmara Municipal para pedir apoio contra agressões e ameaças que vêm sofrendo de taxistas em Curitiba.

Ao menos cinco boletins de ocorrência foram apresentados, com casos, inclusive, ocorridos neste final de semana. “Estávamos em três ubers no Expotrade e fomos cercados por dez taxistas. Um dos nossos foi agredido e teve seu carro danificado”, conta o motorista Maurício Passos Araújo.

Na ocasião, diz ele, um dos taxistas tirou a chave de um dos carros, o travou e levou a chave embora. O celular de um dos motoristas também foi quebrado. Já no domingo, em frente ao Shopping Palladium, um taxista teria puxado uma arma de fogo e apontado contra outro motorista do Uber.

Eles também contam que é comum que os carros que utilizam o aplicativo sejam perseguidos por taxista. “Principalmente de noite e se estamos com passageiros, eles nos perseguem. Neste fim de semana só consegui escapar porque parei o carro do lado de duas viaturas do Bope”, conta outro motorista, que prefere não se identificar. Já existe, conta, uma “relação grande” de motoristas de táxis identificados nas ações, cujos nomes foram levados às autoridades.

Ontem os vereadores se comprometerem a encaminhar as queixas de seguran-ça Participaram da reunião Pier Petruzziello (FM), Carla Pimentel (PSQ, Bruno Pessuti (PS13) e Felipe Braga Cortes (P51)), Professora Josete (PT) e Geovane Femandes (PTB).

Taxistas

O presidente Sinditáxi-Paraná reafirmou ontem que é contrário a qualquer forma de agressão contra os motoris-tas. “Se algum taxista perdeu a cabeça, perdeu sozinho”, disse Abimael Mardegan.

Ele, no entanto, destaca que o aplicativo é irregular na cidade, sob pena de multa contra os motoristas.

“Estamos pedindo a conscientização da população para não usar isto. Não adianta querer sair batendo panela e depois fazer uma coisa irregular. O Uber é um barato que sai caro, é um engodo que usa essas pessoas desesperadas para ganhar algum dinheiro, mas de forma ilegal”. afirma.

Legislação.

A Prefeitura de Curitiba não admite o uso do Uber e no mês passado ainda foi aprovado na Câmara Municipal um projeto de lei que aumenta de RS 83 para R$ 1,7 mil a multa contra o transporte irregular.

Semana passada, no entanto, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) fez um veto ao texto, o que força que o projeto volte à Câmara para ser reavaliado. O veto, no entanto, manteve o aplicativo irregular. Tramitam na Câmara três projetos de lei que podem tornar o Uber legalizado.

(Thiago Machado, Metro Jornal Curitiba)

Previous ArticleNext Article