Número de acidentes cai pela metade no Centro de Curitiba

Narley Resende


O número de acidentes registrados nas principais ruas do Centro de Curitiba diminuiu 41% depois da implantação da chamada Área Calma. Entre os dias 17 de outubro a 15 de novembro, antes da implantação da Área Calma, 44 acidentes foram registrados. Após a implantação o número caiu para 26, no período entre os dias 16 de novembro a 11 de dezembro. Os dados levantados e disponibilizados nessa segunda-feira (2) pelo do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (BPTran) são referentes apenas ao ano passado. Neste ano, a PM afirma que ainda não tem novos números.

A redução dos acidentes é atribuída à diminuição do limite de velocidade, que passou a 40 km/h na região central da cidade. A Área Calma de Curitiba é formada por um perímetro de 140 quarteirões. Está localizada entre as ruas Rua Inácio Lustosa, Visconde de Nácar/ 24 de Maio, Rua André de Barros/ Nilo Cairo, Rua Manoel Ribas, Rua Luiz Leão e Avenida João Gualberto.

A região central de Curitiba tem mais de meio milhão de pessoas circulando diariamente. Depois de implantada a Área Calma, a média de multas emitidas é de 272 por dia. A fiscalização eletrônica é feita por 22 radares instalados em 12 cruzamentos da região. Além da velocidade, os radares também fiscalizam o avanço de sinal e paradas sobre a faixa de pedestres. No período de 16 a 30 de novembro, segundo a Secretaria de Trânsito, apenas 1% das multas emitidas são por excesso de velocidade. Na região circulam 310,7 mil veículos por dia.

O prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT) estima números ainda maiores para este ano. “Uma redução de acidentes fatais, em alguns trechos superior a 50%. Na média, tivemos uma redução de 40% em Curitiba. Mas na Via Calma, Área Calma, superior a 50%”, garante Fruet.

Na Rua Mariano Torres, o número de acidentes diminuiu de 18 para 11; na Inácio Lustosa o número caiu de 10 para 2; Na Rua Visconde de Nacar o número caiu de 8 para 5; nas ruas André de Barros e Luiz Leão não houve alteração, sendo registrados 5 e 3 acidentes, respectivamente, antes e depois da implantação da Área Calma.

Via Calma

Foto: Luiz Costa/SMCS
Via Calma da Avenida Sete de Setembro. Foto: Luiz Costa/SMCS

De acordo com o prefeito, as Vias Calmas, onde o limite de velocidade é de 30km/h, nas margens das canaletas de ônibus, o número de acidentes também tendem a diminuir.

“Nós temos que conquistar o ciclista que está na faixa de ônibus para sair dessa faixa. O ônibus, por ter uma média de velocidade maior, a partir de 40, 50 km em um acidente a chance de sobrevivência (do ciclista) é cada vez menor. Temos que tirar da canaleta esse obstáculo e garantir ao ciclista mais segurança, por isso a prioridade da Via Calma nas canaletas. A canaleta acaba sendo um grande fator de atropelamentos em Curitiba. Foi um ganho para o ônibus, é um ganho para o binário, um ganho para os eixos de adensamento, mas acabou provocando enorme índice de atropelamento”, aponta o prefeito.

Pedestres

A região central de Curitiba teve queda de 70% no número de atropelamentos, na passagem de 2015 para 2016. Segundo dados do Corpo de Bombeiros, apurados por estudantes da Universidade Federal do Paraná, orientados por jornalistas do Livre.jor, foram apenas 11 ocorrências de novembro a janeiro deste ano, ante 39 no trimestre anterior e 40 no mesmo período de 2015 – 70% a menos, em ambos os casos.

Previous ArticleNext Article