Passageiros estão abaixo da projeção, diz Setransp

Redação


Por Brunno Brugnolo, do Metro Jornal Curitiba

Desde que a nova previsão de passageiros foi recalculada pela Urbs – junto com a definição da atual tarifa técnica de R$ 3,66 – no fim de fevereiro, ela não se concretizou. Durante cinco meses, de março a julho, o acumulado de passageiros pagantes a menos que o projetado foi superior a cinco milhões, ou seja, média de mais de um milhão inferior por mês.

Segundo o Setransp (Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), a defasagem do período ultrapassa RS 19 milhões. “Como esse número de passageiros é divisor dos custos, se ele não se realiza, fatalmente causará déficit, desequilibrando o sistema, pois se projeta uma receita que não se verifica na prática”, disse o Setransp em nota.

A média mensal de passageiros pagantes em 2015 já havia findo mais de um milhão inferior à projetada: 17.648.536 contra 18.824.884, ou 6,25% a menos. Mesmo com tendêia de queda desde 2009, a projeção média da Urbs de março deste ano até fevereiro do ano que vem ficou em 17.655.104 por mês, quase 7 mil passageiros a mais do que o realizado nos 12 meses anteriores ao período.

Em comunicado, os empresários de ônibus alertaram para a possível repetição do do cenário dos últimos dois anos, com dificuldade de pagamento – principalmente do 13° salário – e pedem medidas para evitar greves como em 2014 e 2015, além de várias outras ameaças de paralisação.

> TCE reprova contas da Urbs por gasto irregular de R$ 9 milhões em 2011

CapturarEm nota, a Urbs informou que não recebeu qualquer comunicação oficial a respeito de nota do Setransp sobre a situado financeira das empresas de transporte coletivo. Assim, aguarda que tais demandas sejam apresentadas, com as devidas justificativas técnicas e jurídicas, para análise à luz dos contratos firmados em 2010.

A autarquia municipal reforçou que os referidos contratos determinam que alterações ocorridas ao longo de um período tarifário sejam ajustadas no próximo período, no caso, a ser iniciado em 26 de fevereiro de 2017. Além disso, ressaltou que os pagamentos ás empresas estão rigorosamente em dia.

A Urbs disse entender “como muito grave, nesse período pré-eleitoral, a iniciativa de veicular uma nota com informações que tirem a tranquilidade da população no tocante ao transporte coletivo, motivo pelo qual já estuda as medidas cabíveis”.

O Setransp informou que a situado é de conhecimento da Urbs, pois protocolou no início do mês passado, o oficio STP 066/2016, expondo a disparidade entre a projeção de passageiros e aquilo que se verifica na prática. A entidade também refutou qualquer tentativa de transformar esse debate técnico em briga eleitoral, até porque as empresas já se declararam neutras no pleito municipal.

Previous ArticleNext Article