Prefeitura abre processo para investigar prisão de candidato em Curitiba

Narley Resende


A Secretaria Municipal da Defesa Social determinou nesta sexta-feira (26) a abertura de procedimento administrativo para apurar as circunstâncias da detenção do candidato a vereador Renato Almeida Freitas Junior (PSOL) por guardas municipais, na última quinta-feira.

O Sindicato da Guarda Municipal de Curitiba e a Comissão de Direitos Humanos da OAB serão convidados a acompanhar o trabalho da comissão encarregada da apuração, que ouvirá todos os envolvidos.

Renato Freitas, que é advogado, afirma que foi espancado por guardas municipais e levado algemado ao 3º Distrito Policial, onde ficou preso pro três horas. Ele disse que na delegacia foi despido e deixado nu em uma cela, inclusiva na presença de uma mulher policial. Ele foi detido em frente à Casa da Leitura, na Rua do Rosário, no Centro, por estar ouvindo música alta.

De acordo com coordenadora de campanha do candidato, Nicole Luy a ação da Guarda foi desproporcional, e Freitas pretende fazer uma denúncia formal contra os envolvidos.

“A Guarda Municipal algemou ele, colocou ele no camburão, trouxe ele para o terceiro distrito, foi colocado em uma cela, deixado nu, foi espancado. Vamos abrir uma representação, com o Ministério Público, temos aqui uma representante da Comissão de Direitos Humanos da OAB, já foi falado com o procurador do centro de apoio aos direitos humanos do MP, temos vários advogados no caso e a gente vai usar todos os meios possíveis para responsabilizar as pessoas por essa violência que ele sofreu hoje”, afirma.

“De acordo com informações registradas no boletim de ocorrência pelos agentes que atuaram no caso, a Guarda foi acionada por um funcionário da Casa da Leitura da Rua do Rosário. Esse funcionário relatou que Renato ouvia música em alto volume em frente à Casa e causava perturbação”, disse a prefeitura em nota.

Ainda de acordo com o relato dos guardas, eles foram desacatados por Renato quando solicitaram que reduzisse o volume do som. Por isso foi detido por desacato e perturbação do sossego e encaminhado ao 3º Distrito Policial.”.

A nota ainda acrescenta que “qualquer informação adicional sobre o caso pode ser encaminhada à Ouvidoria da Guarda Municipal, que faz apuração rigorosa de toda denúncia registrada”.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="381666" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]