Greca considera greve de médicos “abusiva”

Andreza Rossini


Repórter Fábio Buchmann da CBN Curitiba

Nesta terça-feira (16) o prefeito Rafael Greca atacou a greve dos médicos que atendem pela rede municipal de saúde. A paralisação começou no dia 21 de julho.

Em uma postagem no Facebook, Greca escreveu: “É abusiva e desumana a greve dos médicos da Fundação de Atenção Especializada em Saúde (Feaes). Estão deixando os pacientes esperando, em especial os que não estão na urgência. Pedem 4,5% de aumento em um momento de depressão econômica e de queda da arrecadação. Os médicos recebem R$ 1.880,00 por cada plantão noturno em uma UPA. Este valor está acima da média paga em hospitais da iniciativa privada. Recebem ainda 100% de horas-extras pelo trabalho nos fins de semana, enquanto o mercado remunera com 50%”.

A greve dos profissionais afeta as Unidades Básicas de Saúde (UPAs), o Hospital do Idoso, a Maternidade Bairro Alto, os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

A categoria mantém 60% do atendimento nas consultas eletivas e 100% nos casos de urgência e emergência.

Já a secretária Geral do Simepar, Sindicato que representa os médicos no Paraná, Cláudia Paola, diz que não é verdade que os médicos recebem quase dois mil reais por um plantão de 12 horas.

“Os dados não são verdade. Os médicos estão pedindo apenas a reposição das perdas inflacionárias e que não haja perdas salariais por conta de acordos. Esse ano a prefeitura se negou a negociar”, afirmou.

O sindicato reconhece que há uma espera maior por atendimento em diversas unidades e hospitais que atendem pelo SUS. No entanto, Cláudia Paola disse que a paralisação só tem afetado casos considerados não emergenciais.

“Sempre foi feito uma triagem antes do atendimento e uma classificação de risco. Os pacientes que estão fora de risco podem esperar. Queremos pressionar a Feaes a negociar, mas percebemos que a instituição e a prefeitura não estão dispostas”, disse.

O Sindicato garante que a greve vai continuar até que a administração pública pelo menos volte a dialogar com a categoria.

Já a assessor Jurídico da Feaes, Pedro Henrique Higino Borges, diz que é o sindicato quem está mentindo sobre os rendimentos dos médicos.

“Refuto a ideia de que eles não ganham o valor de R$ 1.800 pelo plantão noturno, eles ganham isso. Reitero a posição do prefeito de que a greve é ilegal e desumana a partir de que as pessoas estão sendo desassistidas”, afirmou.

A Fundação considera a situação como gravíssima, formando um gargalo no atendimento, que vai demorar para ser desfeito.

A Secretaria Municipal de Saúde oficiou o Conselho Regional de Medicina para coibir maus tratos por omissão de assistência à população.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="448683" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]