Sem solução, motoristas e cobradores podem entrar em greve na próxima semana

Fernando Garcel


Sem solução para o impasse com a Urbanização de Curitiba (Urbs), os motoristas e cobradores do transporte coletivo da capital devem iniciar uma greve geral no início da próxima semana. Até quarta-feira (18), o Sindimoc, sindicato que representa os trabalhadores, fez quatro assembleias e conseguiu o apoio de 4,4 mil trabalhadores.

Desta vez, a categoria protesta contra o desconto feito em folha salarial de aproximadamente R$ 2 milhões em multas de 2012. O desconto é feito pelas empresas, mas as multas foram emitidas pela Urbs, que diz que a gestão passada deixou de cobrar os valores. De acordo com a Setransp, sindicato patronal, as empresas manterão os descontos, já que as multas são de responsabilidade dos funcionários.

Por outro lado, a Urbs alega que cobra das empresas, e não dos motoristas, e que as punições são por falta de limpeza e problemas nos coletivos, por exemplo. Em nota, o órgão afirma que dos R$ 2,6 milhões em multa, apenas $ 58,8 mil envolvem os trabalhadores, ou seja, 98% do valor diz respeito exclusivamente as empresas.

Além disso, a Urbs afirma que abriu sindicância para saber por que os valores não foram cobrados não época. Por fim, a prefeitura diz que não pode intervir na relação patronal entre empresas e motoristas, e que os conflitos devem ser mediados na Justiça do Trabalho.

Em nota, a Setransp afirma que:

1. A Urbs avisou as empresas que pretende descontar multas dos anos 2011 e 2012. A maioria delas se refere à atuação de motoristas e cobradores e o valor gira em torno de R$ 2 milhões.
2. As empresas, por meio do Setransp, entraram na Justiça contra essa cobrança e obtiveram liminar determinando que a Urbs suspenda o desconto e apresente documentação em juízo, informando a que se referem tais multas.
3. O Setransp alertou o Sindimoc de que, na hipótese de condenação ao pagamento das referidas multas, aquelas que forem de responsabilidade do pessoal de operação, haverão de ser descontadas de quem de direito.
4. O Setransp lamenta essa situação e espera obter êxito na demanda judicial, a fim de evitar consequências negativas a todos.

As quatro empresas que já aprovaram o indicativo de greve atendem mais de 170 linhas de Curitiba e região metropolitana. Redentor, Glória e Cidade Sorriso atendem linhas na capital e a Viação São José dos Pinhais trabalha com ônibus que circulam entre São José dos Pinhais e Curitiba. Novas reuniões devem acontecer nesta quinta e sexta-feira (20).

Previous ArticleNext Article