“Toda mãe tem necessidade de Justiça real”, diz Christiane Yared

Andreza Rossini


A deputada federal Christiane Yared é testemunha no julgamento do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho, que acontece na tarde desta terça-feira (27), no Tribunal do Júri, em Curitiba.

Christiane é mãe de Gilmar Yared, uma das vítimas da colisão envolvendo o ex-deputado, que deixou duas pessoas mortas, em 2009. Carli Filho estava embriagado e dirigia em alta velocidade com a habilitação suspensa no momento do acidente.

Sete jurados foram selecionados entre um grupo de 45 cidadãos pré-selecionados. São cinco mulheres e dois homens. Todos jovens.

Emocionada, a deputada chegou acompanhada do advogado, Elias Mattar Assad e do marido, Gilmar Yared, por volta de 12h30. Ela afirmou que acredita na Justiça. “Nós não imaginávamos que com tantos recursos teríamos que esperar todos esses anos para conseguir o júri. O que mais importa dessa luta toda é fazer com que as pessoas mudem seus comportamentos. Nós queremos nossos filhos vivos. Nós confiamos na Justiça, ela demorou mas está ai. Vamos aguardar o que ela tem para nos dizer”.

Christiane também afirmou que a justiça é “para os vivos”. “Eu acredito que para toda mãe a necessidade da justiça é real, ela tem que ser presente, para toda a família que enterra no filho, no trânsito são mortes tão violentas”, lamentou.

“Vidas podem ser salvas, precisamos mudar comportamentos e atos. Precisamos conscientizar que realmente não pode beber e dirigir”, disse o pai da vítima, Gilmar Yared.

Foto: Daniel Deverick
Foto: Daniel Deverick

Mãe de Murilo 

Vera Lúcia de Carvalho, mãe da outra vítima do acidente, Murilo Almeida, chegou ao tribunal acompanhada do advogado, por volta das 12 horas. “Hoje está difícil, não sei nem como explicar para vocês, ou o que falar. Que Deus faça o melhor”, disse.

Um dos advogados família afirmou que espera que o júri defina uma pena justa que sirva de exemplo à população. “Expectativa que nós temos hoje é que se faça justiça, como a minha cliente pediu desde o começo, há nove anos. Justiça, um exemplo para o país, para que essas duas mortes violentas não fiquem esquecidas, no armário. As pessoas precisam saber que é necessário atender a algumas regras de trânsito, ninguém pode andar naquela velocidade que vimos que alguém andou em uma localidade extremamente densa de população”, argumentou o advogado da família, Juarez Küster.

Foto: Andreza Rossini
Foto: Andreza Rossini

Manifestação

Cerca de quinze pessoas fazem um ato em frente ao Tribunal do Júri. Mulheres vestidas com as camisetas dos filhos que morreram no trânsito são maioria no protesto. “Esperamos por Justiça, temos outras mães que também estão aqui e perderam seus filhos no trânsito”, afirmou um dos integrantes Marcos Silva, que é amigo das vítimas de acidente.

Os manifestantes recepcionaram a família Yared prestando solidariedade e Carli Filho aos gritos de “assassino”.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="483641" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]