Vai ter pré-carnaval em Curitiba? Já está tendo

Narley Resende


Lenise Klenk e Narley Resende

Mesmo sem o apoio da Prefeitura de Curitiba, o pré-carnaval deste ano está nas ruas da capital paranaense.

Os coordenadores dos principais blocos da cidade garantem que a festa já começou, com ensaios públicos em diversos bairros.

Alguns veículos de imprensa chegaram a noticiar o cancelamento da festa. Mas o que houve foi o anúncio de que a prefeitura não vai dar apoio logístico, nem recursos públicos municipais para a realização do pré-carnaval.

Até o ano passado, o Instituto Curitiba de Arte e Cultura, ligado à administração municipal, atuou como um intermediário na captação de recursos privados para patrocinar o evento e o cachê do principal bloco, o Garibaldis & Sacis.

A partir deste ano, a Prefeitura deve atuar apenas nas autorizações formais para que o pré-carnaval aconteça.

Nesse caso, é preciso que uma empresa de eventos se interesse em organizar a festa e se responsabilize integralmente pela captação de recursos privados.

A jornalista Anaterra Viana, da Comunicação do Bloco Garibaldis & Sacis, diz que o pré-carnaval de Curitiba nasceu de maneira espontânea e já se consolidou nos hábitos culturais da população. Por isso, vai ser promovido, mesmo sem o apoio oficial do município.

Anaterra Viana
Anaterra Viana: “acabar com o pré-carnaval de Curitiba vai ser muito difícil”. Foto: Giselle Durigan Sørensen / reprodução / Facebook

“Curitiba, acho que através até do próprio Garibaldis & Sacis, criou uma cultura do pré-carnaval. Foram criados outros blocos, inclusive. Hoje a gente tem dez blocos, em bairros de Curitiba que já têm saído desde dezembro do ano passado”.

“Durante muito tempo era difícil pra nós. Até o próprio Garibaldis brincava antes que para sair, pra fazer carnaval em Curitiba precisa de alvará. Porque muitas vezes tivemos proibições de sair às ruas”.

Ainda que o município não entre com apoio operacional, agora os blocos buscam um entendimento com a Prefeitura de Curitiba para conhecer o posicionamento da gestão municipal.

Anaterra diz que teme um retrocesso. “Não sabemos ainda qual é essa posição. Então, ainda fica difícil pra gente dizer como está sendo a relação sendo que a gente já está com essa conversa em stand-by. Complicado, porque a gente volta a pensar que vai ser como antes. A gente não tinha o apoio, e além de não ter o apoio, muitas vezes ainda era proibido de sair na rua”.

“Acredito que com o aumento do número de pessoas, dos foliões e dos brincantes, e com o aumento dos blocos, vai ser bastante difícil eles segurarem ou retrocederem nesse sentido. Acho que frear ou acabar com o pré-carnaval de Curitiba vai ser muito difícil”, afirma.

“Já está tendo”

Uma reunião entre representantes do bloco Garibaldis & Sacis e da Fundação Cultural de Curitiba está marcada para esta sexta-feira (12) à tarde.

De acordo com informações da Comissão do Carnaval do município, uma empresa de eventos já pediu as autorizações para a realização do pré-carnaval. Mas haveria uma mudança no local da festa, que seria levada para a Avenida Cândido de Abreu.

Enquanto as pendências burocráticas vão sendo resolvidas, o Garibaldis & Sacis já esteve na Vilinha, no Bairro Alto, na Praça do Semeador, Sitio Cercado e nas Ruínas São Francisco.

No próximo domingo (15), o bloco vai ensaiar em São José dos Pinhais e pretende divulgar toda a programação de ensaios e saídas depois da reunião na Fundação Cultural de Curitiba.

Outros blocos da cidade também já se movimentam pelos bairros de Curitiba. Entre eles, o Vaca Chèrie, 10afinados & daí?, Urso do Seu Lourenço e Batom Barato.

Neste sábado, ocorre o ‘Berro de Carnaval’ no Bar do Fogo, no bairro São Francisco, a partir das 16h.

Pré-carnaval de Curitiba
Fotos: Dayana Luiza – Fotografia

Carnaval de Curitiba

Já no feriado, entre outros eventos do carnaval alternativo em Curitiba estão o Curitiba Rock Carnival, Psycho Carnival e Zombie Walk, que se misturam nesta época.

No ano passado, os eventos alternativos atraíram mais pessoas do que os tradicionais desfiles de Carnaval em Curitiba entre sábado e segunda-feira. Ao todo, 20 mil pessoas participaram da Zombie Walk e 20 mil assistiram aos shows do Rock Carnival, enquanto os desfiles das escolas atraíram 15 mil pessoas no sábado.

Cerca de 20 mil pessoas acompanharam as apresentações do Curitiba Rock Carnival 2016 entre sábado e segunda-feira de carnaval. O evento, com apoio da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), foi realizado no estacionamento da Câmara Municipal e em parceria com o Psycho Carnival.

Se apresentaram 21 bandas locais e estrangeiras, com destaques para o Death, dos EUA, a Confraria da Costa e a Blindagem, de Curitiba. Não houve o registro de ocorrências durante o evento.

Para este ano, a programação ainda não foi confirmada. De acordo com a assessoria da FCC, o evento é privado e os organizadores ainda não fizeram contato com a Fundação Cultural.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="408461" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]