Curitiba registra queda de árvores e falta de luz com temporal devido a ciclone

Jorge de Sousa

Curitiba registra queda de árvores e falta de luz com temporal devido a ciclone

O ‘ciclone bomba’ que está passando pela Região Sul do Brasil causou um temporal que provocou a queda de árvores, fortes chuvas e queda no serviço de luz em diversos bairros de Curitiba nesta terça-feira (30).

Segundo o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná) os ventos do temporal chegaram a casa dos 98 km/h, com uma precipitação acumulada de 11 mm durante toda esta terça-feira.

De acordo com a Defesa Civil de Curitiba, até às 21h desta terça-feira haviam sido comunicadas 513 quedas de árvores em galhos em vias públicas e terrenos privados de 37 bairros da capital paranaense.

Não foi registrado pela Defesa Civil a ocorrência de feridos, desalojados ou desabrigados, com algumas das principais ocorrências sendo uma árvore caindo em uma residência no Pilarzinho e a obstrução de um trecho da Rua Carneiro Lobo no Batel.

Também houve registro de ao menos 57 destalhamentos em residências da capital, com essas ocorrências sendo acompanhadas por equipes da Defesa Civil.

Já as quedas de luz foram registradas em diversas áreas de Curitiba, como no Boa Vista, no Centro Cívico, no Água Verde e no Campo Comprido. Segundo a Copel, 185 mil pessoas foram afetadas por esse problema.

CICLONE CAUSA TEMPORAL EM OUTRAS CIDADES DO PARANÁ

O ‘ciclone bomba’ é comum no inverno, porém, ocorre com mais frequência no norte da Europa e no nordeste dos Estados Unidos. No Atlântico Sul, é mais comum na costa da Argentina ou no cinturão de baixa da Antártida. Contudo, ele atinge hoje o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e o Paraná.

Após a passagem do ‘ciclone bomba na região Sul, a consequência serão as quedas de temperaturas. No Paraná, há previsão de geada e temperatura de 3ºC na próxima quinta-feira (2).

Mais cedo nesta terça-feira a cidade de Foz do Iguaçu também sofreu com as consequências do ciclone. Foram registradas quedas de árvores, sendo que algumas caíram sobre veículos, com ventos que chegaram a 62,4 km/h, segundo o Simepar.

Previous ArticleNext Article