Danos ambientais devem ser reparados em acidente que matou seis pessoas na BR 277

Juliana Goss - BandNews FM Curitiba


A Promotoria de Justiça de Morretes, no litoral paranaense, quer que os responsáveis pelo acidente com um caminhão-tanque que despejou cerca de 40 mil litros de etanol na BR-277 reparem os danos causados. O acidente também provocou a morte de seis pessoas.

O pedido foi protocolado em uma ação civil pública. O acidente aconteceu em julho de 2016 e acarretou na contaminação da água e do solo, na queimada de área de preservação permanente além de danos à floresta atlântica. O caminhão – que se dirigia ao Porto de Paranaguá – trafegava em alta velocidade e com problemas nos freios. Totalmente desgovernado, o veículo atingiu 11 veículos, nove explodiram. Seis pessoas morreram no acidente.

São réus na ação a empresa responsável pelo transporte, o diretor-presidente da entidade, a concessionária da rodovia, o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná e o Instituto Ambiental do Paraná.

O Ministério Público pede na ação que a empresa, o diretor e a concessionária indenizem os danos ambientais e sociais em valores que ainda serão determinados na sentença. Além disso, o MP pede que os réus façam a descontaminação do solo, a recuperação da mata ciliar e o monitoramento ambiental da área.

Em relação ao DER e à concessionária, a solicitação é de que eles tomem diversas medidas para prevenir acidentes no local. A promotoria quer ainda que o IAP faça o monitoramento ambiental da área e oriente os demais réus nas ações de recuperação ambiental.

Devido as mortes provocadas no acidente, o motorista do caminhão-tanque e o supervisor direto dele foram denunciados criminalmente por homicídio e lesão corporal, já que outras dez vítimas ficaram feridas. Eles também foram denunciados por crimes ambientais.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="550014" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]