Doleiro da Câmbio, Desligo preso no Paraguai opta por extradição rápida ao Brasil

José Marques - Folhapress

Preso nesta quarta-feira (26) no Paraguai, o doleiro brasileiro Bruno Farina optou por uma extradição rápida ao Brasil para responder às acusações de organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro.

Com mandado de prisão expedido durante a Operação Câmbio, Desligo, em maio, Farina é acusado pelo Ministério Público Federal de atuar no grupo chefiado por Dario Messer, conhecido como o “doleiro dos doleiros”, que ainda está foragido.

Farina tinha mandado de prisão internacional e foi encontrado pela Interpol no mesmo condomínio onde Messer vivia, na fronteira paraguaia com o Paraná. Não há data para que essa extradição aconteça, mas a expectativa é que ela ocorra nas próximas semanas.

Segundo a juíza Alicia Pedrozo, que comandou a audiência de custódia de Farina nesta quinta (27), ele “manifestou na audiência que está de acordo com essa extradição abreviada para elucidar sua situação processual”. De acordo com a magistrada, a defesa do doleiro informou, por escrito, que não iria se opor com recursos à possibilidade de que essa extradição ocorra rapidamente.
O procurador de assuntos internacionais do Ministério Público do Paraguai, Manuel Doldán, confirmou à reportagem que fez esse pedido aos advogados do doleiro.


“Não há um prazo [para a extradição]”, afirmou a juíza Pedrozo, em entrevista a jornalistas em Assunção. “Os prazos na extradição se referem ao envio de documentos etc. Na extradição abreviada se prescindem de muitos trâmites. Então, sempre se trata de fazer o mais rápido possível, sempre respeitando todas as garantias.”

“Já estamos analisando os documentos para ver o que decide o juízo”, acrescentou. Ao ser preso, Farina disse à imprensa paraguaia que, no Brasil, havia apenas uma investigação contra ele -na verdade, o juiz Marcelo Bretas aceitou denúncia do Ministério Público Federal em junho e o tornou réu.

Também negou que estivesse fugindo da Justiça. “Estava escondido porque minha advogada do Brasil me pediu um tempo para conseguir um habeas corpus, só por isso”, disse o doleiro.
Dois dos seus pedidos de habeas corpus chegaram ao Supremo Tribunal Federal, mas um foi negado e outro rejeitado, sem análise, em junho. “Foi uma decisão de minha advogada, não minha. Eu não sou um fugitivo. Estava aguardando uma decisão de minha advogada”, disse.

Questionado quando será extraditado ao Brasil, afirmou: “Quando vou? Depende da Justiça do Paraguai. Quero ir agora.” Segundo a denúncia da Procuradoria da República, Farina e outro doleiro, Augusto Larrabure, operaram US$ 22 milhões entre 2011 e 2017.

Como Messer, ele foi delatado pelos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio Barboza, o Tony. A colaboração resultou na Câmbio, Desligo, um desdobramento da Lava Jato no Rio.
Apesar de viver no mesmo condomínio em que ​Messer vivia, Bruno Farina diz que não o conhece. Procurada, a defesa do doleiro preso não retornou à reportagem.

Post anteriorPróximo post