Dona de apartamento que explodiu diz que acendeu fogão durante impermeabilização

William Bittar - CBN Curitiba

explosão, apartamento, curitiba, água verde, mateus lamb, raquel lamb, gabriel araújo, impeseg, homicídio doloso, empresa de impermeabilização, José Roberto Porto Correa, Bruna Formankuevisky Lima Porto Correa, Caio Santos, denúncia, Ministério Público, dolo eventual, motivo torpe, explosão, júri, júri popular

O casal que mora no apartamento que explodiu no bairro Água Verde, em Curitiba, no dia 29 de junho, prestou depoimento à Polícia Civil nesta terça-feira (16). Raquel Lamb e Gabriel Araújo foram ouvidos no Hospital Evangélico Mackenzie, onde continuam internados.

Segundo o depoimento de Raquel Cristina Lamb, o qual a rádio CBN Curitiba teve acesso, ela acendeu o fogão a gás para fazer café quando a explosão aconteceu.

Raquel disse que o marido Gabriel Araújo estava na sala acompanhando o funcionário da empresa Impeseg, Caio Santos, que fazia a impermeabilização do sofá do casal e o irmão Mateus Lamb, de 11 anos, estava no quarto com a porta fechada.

A jovem, de 23 anos, também afirmou que, em nenhum momento, foi informada de que o produto utilizado para a impermeabilização era inflamável e que se soubesse que ele apresentava riscos, jamais teria contratado o serviço.

Já Gabriel Araújo, de 27 anos, esposo de Raquel, afirmou que assim que chegou ao apartamento, o funcionário da empresa contratada, solicitou que as janelas fossem abertas, mas não teria informado o motivo.

Além disso, afirmou que não foi repassada nenhuma outra orientação, “como sair do apartamento” para a aplicação do produto e nem que “não poderia acender alguma chama ou acionar qualquer interruptor”.

Gabriel também afirmou que “notou um líquido que caia do equipamento como se estivesse com defeito sendo que o técnico ficava limpando esses vazamentos com um pano”. O dono do apartamento também ressaltou que “o funcionário não utilizava nenhum equipamento de proteção”.

Por fim, Gabriel também disse que falou com um responsável pela empresa antes de contratar o serviço e foi informado que o produto era importado, que o serviço duraria no máximo 30 minutos e que em nenhum momento foi esclarecido que o produto era solvente e inflamável.

O técnico da empresa de impermeabilização deve prestar depoimento nesta quinta-feira (18).

Raquel Lamb, Gabriel Araújo e Caio Santos seguem internados no Hospital Evangélico Mackenzie em Curitiba e segundo o último boletim médico divulgado, o estado de saúde deles inspira cuidados. Eles já deixaram a UTI e foram transferidos para o quarto.

Mateus Lamb, de 11 anos, irmão de Raquel, morreu no dia da explosão, após ser arremessado do sexto andar do prédio.

O caso é investigado pela Delegacia de Explosivos, Armas e Munições (DEAM) da Polícia Civil.

O advogado que representa os donos da empresa Impeseg informou que não vai se manifestar na fase das investigações.

O prédio onde a explosão aconteceu segue interditado e os moradores aguardam mais uma vistoria da Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) para saber se podem voltar para suas casas.

O sexto andar deve ficar interditado por mais tempo, pois, foi onde a explosão aconteceu.

Previous ArticleNext Article