Empresa armazenava inflamáveis em frascos de shampoo, afirmam funcionários

Os quatro funcionários da empresa de impermeabilização envolvida na explosão de um apartamento no bairro Água Verde, em ..

Redação - 10 de julho de 2019, 10:37

Foto: Colaboração
Foto: Colaboração

Os quatro funcionários da empresa de impermeabilização envolvida na explosão de um apartamento no bairro Água Verde, em Curitiba, afirmaram, em depoimento nesta terça-feira (9), que os produtos inflamáveis eram armazenados em frascos de shampoos.

De acordo com Leandro Veloso, advogado que representa os trabalhadores, o procedimento era feito para reduzir custos. A empresa também omitia o risco de explosão para as transportadoras.

"Fazendo as transportadoras levarem o produto altamente inflamável como se fosse shampoo. O funcionário da empresa era obrigado a trocar a etiqueta e induzir a transportadora a grave erro. Fazendo que a transportadora levasse esse produto perigoso", afirmou.

Uma funcionária também afirmou que o produto perigoso chegou a ser transportado em um avião, dentro de uma garrafa pet. "Ele compra essa garrafa de Guaraná, pedem que os funcionários tomem o Guaraná, porque ele tinha urgência em levar esse produto para Goiânia. Então ele coloca o produto nessa garrafa. Uma das funcionárias conta que ele apertou essa garrafa de uma maneira mais forte, para que ela parecesse lacrada e não tivesse problemas com a segurança do aeroporto", destacou.

Além dos quatro funcionários, o advogado também responde por Caio, que prestava o serviço de impermeabilização do sofá no dia da explosão, no bairro Água Verde. Ele foi um dos feridos, junto com o casal dono do apartamento.

Caio segue na UTI do Hospital Evangélico, junto com a dona do apartamento. O marido dela está internado em um quarto do hospital. A criança de onze anos arremessada para fora do prédio, não resistiu aos ferimentos e morreu momentos depois.

A defesa da empresa responsável pelo serviço só deve se pronunciar após a conclusão do inquérito.

O CASO

A explosão aconteceu às 9h40 do sábado (29), em um prédio da Rua Dom Pedro I, na esquina com a Rua Marquês do Paraná, no Bairro Água Verde, em Curitiba. A força do impacto derrubou as paredes do sexto andar. Estilhaços de vidro e concreto se espalharam pela região.

Após o acidente, o apartamento ficou em chamas. O fogo foi controlado às 10h30. Segundo os bombeiros, não há risco de novas explosões.

Moradores da região e pessoas que trabalham no entorno compararam o barulho à queda de um avião. A rua foi tomada por pessoas preocupadas com a situação. O perímetro foi isolado pelas autoridades de segurança.

As informações preliminares davam conta de que a explosão havia sido causada pelo vazamento de um botijão de gás, mas a hipótese foi descartada. Segundo o Subcomandante do Corpo de Bombeiros, major Eduardo Gomes Pinheiro, a explosão aconteceu durante a impermeabilização de um sofá. O serviço era realizado por uma empresa especializada no ramo.