Empresário confirma propina para ex-diretor da Secretaria da Educação

Jordana Martinez


BandNewsCuritiba

O dono da Construtora M.I., o empresário Iolmar Ravanelli, disse em delação que pagou propina para o ex-diretor da Secretaria da Educação do Paraná, Maurício Fanini, preso na terceira fase da Operação Quadro Negro.

As declarações foram feitas nesta quarta-feira (27) para a Justiça e o delator também afirmou que foi Fanini quem o procurou, pedindo pela propina, no valor de 100 mil reais.

A construtora de Iolmar venceu as licitações para construir escolas estaduais na cidade de Guaraupuava, na região central do estado.

As obras começaram em 2014, mas no ano seguinte foram paralisadas por causa de irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado. Mesmo assim, após o pagamento da propina, foram emitidos laudos que consideravam as obras em pleno andamento.

Essa medida permitiu que o governo continuasse a liberar recursos públicos para a construtora, mesmo com as obras paradas. O delator disse que negociou e entregou a propina diretamente para Fanini, mas não sabia se ele era o destinatário final do dinheiro.

Em um dos trechos da delação, o empresário afirma que teria ouvido do ex-secretário que a propina era uma contribuição para uma campanha política. Iolmar teria pago o valor da propina somente uma vez, mas disse que pelo menos outro contato teria sido feito, mas que foi negado pelo empresário.

Consequentemente, o empresário disse que não conseguiu firmar mais dois contratos aditivos com o governo que havia solicitado. As obras das duas escolas que deveriam ser entregues pela Construtora M.I. continuam paradas.

A Operação Quadro Negro aponta que a equipe chefiada por Fanini na Secretaria da Educação era responsável por produzir relatórios fraudulentos sobre o andamento de obras para a construção de escolas.

O dono da Construtora Valor, que está envolvida nas fraudes, Eduardo Lopes de Souza, fez acordo de delação premiada. O empresário também afirma que o dinheiro arrecadado com a propina era para abastecer o caixa da campanha eleitoral de 2014, de Beto Richa. O governador nega a acusação do delator, disse que ele inventou uma “historinha” e promete responsabilizar judicialmente ele.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.