Empresários de Curitiba pedem aprovação de projeto de lei para evitar falência

Mirian Villa


Na noite desta sexta-feira (10), empresários de Curitiba realizaram uma manifestação virtual pedindo aprovação do projeto de lei ‘Juro Zero’ para não ir à falência durante à pandemia da Covid-19. Em 10 locais da cidade, o movimento ‘Fechados pela Vida’ projetou mensagens convocando à Câmara Municipal e a Prefeitura a socorrer pequenas empresas.

O foco da manifestação foi o projeto de lei ‘Juro Zero Curitiba‘, que tem o objetivo de disponibilizar linhas de crédito para microempresas e pequenas empresas que tiveram suas atividades suspensas, parcialmente ou totalmente, durante o isolamento social.

“Não estamos pedindo que nada seja dado, estamos pedindo acesso à crédito. Não estamos pedindo para abrir as portas no meio da pandemia, estamos pedindo para não fechar para sempre. Acesso à crédito significa nesse momento: menos falências, menos desemprego e mais isolamento social”, explicou o movimento pelo Twitter.

PROJETO ‘JURO ZERO CURITIBA’ AJUDA FINANCEIRAMENTE EMPRESÁRIOS DE CURITIBA

O projeto de lei foi protocolado na Câmara de Curitiba no dia oito de julho pelos vereadores Professor Euler (PSD) e Dalton Borba (PDT). Segundo a proposta, o programa iria oferecer empréstimos de R$ 5 mil a R$ 100 mil para empresários de Curitiba.

O crédito seria utilizado para estabilizar as folhas de pagamento, pagar os fornecedores, despesas de aluguel, energia elétrica, taxas e tributos em geral. O projeto prevê que o município cubra as despesas de juros dessas operações.

“Não é o momento de lucrar com juros, mas sim de oferecer um apoio àqueles que fazem a nossa economia funcionar”, explicou Borba. Já Euler, afirmou que é impossível que as empresas cubram suas obrigações financeiras sem qualquer apoio ou condições mínimas de sobrevivência.

Os recursos aplicados, de acordo com a proposta de lei, seriam provenientes de superavit financeiro do exercício de 2019.

“Nós não estamos conseguindo acesso ao crédito, seja do BNDES, seja da Fomento Paraná, e nesse momento não ter esse acesso significa falir nossas empresas, porque já se passaram muitos meses e agora, depois de três meses, não temos mais recurso para manter às portas fechadas…estamos faturando pouco no delivery”, explicou Janaína Santos, organizadora do movimento Fechados pela Vida.

Reprodução Twitter/@gabardo

“Fizemos essa manifestação em 10 pontos da cidade e ao mesmo tempo, convocamos uma postagem em massa das pessoas nas redes sociais com a hashtag da manifestação para chamar atenção das autoridades. A manifestação veio no sentido de faze pressão para que o sentido seja votado com urgência”, afirmou Janaína.

FECHADOS PELA VIDA

Um grupo de 200 pequenos empresários proprietários de bares, restaurantes, cafeterias e casas noturnas de Curitiba, fazem parte do movimento “Fechados Pela Vida“, que foi organizado no dia 17 de abril de 2020. O objetivo do coletivo é realizar ‘pressão’ no sentido oposto daqueles empresários que desejam abrir suas portas a qualquer custo.

“A gente acredita que tem que abrir às portas no momento que à pandemia estiver controlada porque, se não, nossos clientes nunca iam se sentir seguros de sair de casa. E no final das contas, íamos colocar mais pessoas em risco”, disse Janaína.

Previous ArticleNext Article