Energia solar em casa? Site faz diagnóstico completo

Brunno Brugnolo - Metro Curitiba

Ferramenta calcula o potencial de economia na fatura de luz e a redução de emissões de gases de efeito estufa.
Energia solar

Está cada vez mais fácil e barato produzir a própria energia em casa. No caso da energia solar fotovoltaica – com placas no telhado ou outra área descoberta – o crescimento exponencial nos últimos meses comprova isso.

Em janeiro deste ano, o Brasil havia acabado de passar as 20 mil unidades consumidoras com geração distribuída. Agora, seis meses depois, já são 30.669, segundo a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica). Disto, mais de 99% são da fonte solar fotovoltaica e 76,7% são residenciais.

Apesar da adesão cada vez maior, muitas pessoas não têm ideia do espaço que precisariam e principalmente qual seria o investimento inicial necessário, além da economia futura. Para isso seria indispensável a consulta de um engenheiro ou uma empresa especializada no assunto, mas agora não mais.

Na semana passada foi lançada uma calculadora fotovoltaica digital disponível ao público no site. A ferramenta, resultado de uma parceria para soluções sustentáveis do WWF-Brasil com o Banco do Brasil, permite descobrir, de acordo com o consumo de eletricidade e localidade do usuário, o potencial de economia na fatura de luz e a redução de emissões de gases de efeito estufa proporcionados por um sistema fotovoltaico.


Além disso, a calculadora também mostra a quantidade de placas fotovoltaicas e a área necessária para instalação, além do investimento aproximado. Isso porquê a calculadora é baseada em dados de irradiação solar do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), pesquisas de preço com fornecedores realizadas nacionalmente pelo Instituto Ideal, assim como características de desempenho típicas para os equipamentos.

O Metro Jornal fez uma simulação de uma residência com três pessoas na capital paranaense e o investimento seria de aproximadamente R$ 10 mil com a necessidade de 8m² de área descoberta. Como a vida útil de um sistema fotovoltaico é de 25 anos, o investimento seria pago em menos de nove anos e o lucro no fim seria superior a R$ 18,5 mil.

“Ainda tem muita desinformação em potenciais usuários. A calculadora mostra o investimento com retorno financeiro e a contribuição ao meio ambiente”, explica o analista de conservação do WWF-Brasil, Ricardo Fujii.

Na ferramenta, o banco também simula financiamentos para o sistema. “O lucro com o sistema fotovoltaico é muito superior a poupança ou outros tipos de investimento como o CDB. Outra vantagem é a proteção contra a inflação. Se a conta de luz subir, a vantagem é ainda maior”, diz Fujii.

Paraná

Depois de três anos da proposta feita, e atrás de 22 estados, o Paraná enfim aderiu às regras do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária) para permitir a isenção do ICMS sobre o excedente de energia elétrica de sistemas de geração distribuída (trocada entre consumidor e distribuidora).

O projeto paranaense foi enviado à Assembleia Legislativa no último dia 6 pela governadora Cida Borghetti (PP). Quando aprovado, o consumidor que gerar a própria energia por meio de fontes renováveis poderá obter descontos na conta de luz.

O Governo do Estado já conta com uma linha de financiamento para empresas – a Fomento Energia – para a aquisição de equipamentos para micro e mini geração de energia a partir de fontes renováveis.

Neste mês, o BNDES anunciou uma linha para financiar energia solar distribuída às pessoas físicas.

Post anteriorPróximo post