Equipe curitibana está na final da maior competição do mundo de tecnologia aplicada ao Direito

Redação


Você já pensou num projeto que têm como foco o acesso à justiça? Agora imagine que esse acesso seja por meio de uma plataforma digital, disponível principalmente para smartphones? É, parece um sonho, principalmente para operadores do Direito que sabem do quanto é importante uma Justiça mais próxima do cidadão, mas é real.

Agora pense que esse projeto, genuinamente brasileiro, está na final da maior competição do mundo de Law Techs e Legal Techs. A final do Global Legal Hackathon acontece em Nova Iorque, no dia 4 de maio, como a participação de uma equipe curitibana, que representará a América Latina.

O Projeto 

O RUI tem como propósito facilitar e qualificar o acesso à justiça de consumidores. A solução opera inicialmente do mercado de telefonia, onde centenas de milhares de consumidores são afetados todos os dias.

Por meio da interação com o consumidor via chatbot, o RUI entende o caso relatado, e, utilizando-se de uma complexa árvore de decisão, elabora uma reclamação personalizada aos fatos narrados, viabilizando ao consumidor exigir seus direitos. Com a reclamação em mãos, o consumidor escolhe por dar entrada em uma plataforma de Resolução de Conflitos Online (ODRs) ou ajuizar uma ação no Juizado Especial.

Além disso, a plataforma audita as contas telefônicas e compara as cobranças realizadas com os serviços efetivamente contratados pelo consumidor, buscando por cobranças indevidas e faturamentos incorretos. O RUI dispõe painel de monitoramento de processos, que orientará o consumidor de forma fácil e intuitiva ao longo de toda sua jornada no judiciário. O Rui fará isso através de agenda de compromissos, histórico do processo, e vídeos que capacitarão o consumidor para enfrentar o processo judicial sozinho.

No futuro, o RUI utilizará inteligência artificial para fazer análise preditiva da jurisprudência dos tribunais, e, com isso, montar reclamações cada vez mais assertivas. A Inteligência Artificial poderá ainda facilitar a compreensão de termos jurídicos, e traduzi-los em uma linguagem acessível para a dashboard do cliente. A ideia é que o usuário possa pedir socorro ao RUI a qualquer momento.

A Competição

O Global Legal Hacklathon envolve profissionais do Direito, TI, business e marketing, e tem como finalidade facilitar o ramo do Direito por meio de soluções tecnológicas inovadoras, que impactem positivamente o mundo da Justiça.

A edição de 2019 reuniu mais de seis mil participantes, de 24 países, dos cinco continentes, e alcançou uma base de 736 milhões de leitores, que acompanharam as publicações do evento em todo o mundo. Foram mais de 700 times criando soluções que serão responsáveis por construir o futuro do Direito.

Após vencer a etapa local em Curitiba, realizada na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PR), a equipe RUI classificou-se para a semifinal, disputada com as equipes vencedoras de outras 46 cidades ao redor do mundo, responsáveis por sediar a competição.

Avaliada por uma banca internacional, a equipe RUI garantiu uma vaga dentre os 12 finalistas do Global Legal Hackathon 2019, que contará com apenas dois representantes da América Latina.
RUI – O RUI leva o primeiro nome do principal e mais importante jurista brasileiro, Rui Barbosa de Oliveira, pois tem como objetivo principal empoderar o ser humano, facilitando o acesso à justiça e fazendo com que ela seja acessível para todos. Nas palavras do próprio Rui Barbosa: “A justiça tardia nada mais é que a injustiça institucionalizada”.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="610063" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]