EstaR em Curitiba: projeto quer vagas com 30 minutos gratuitos

Segundo os autores da proposta na Câmara Municipal, a medida pode incentivar as pessoas a permanecerem com os veículos estacionados por menos tempo.

Redação - 03 de maio de 2022, 15:37

(Foto: Hully Paiva/SMCS)
(Foto: Hully Paiva/SMCS)

Um projeto de lei quer alterar o pagamento do EstaR (Estacionamento Regulamentado) em Curitiba. A ideia que está na Câmara Municipal é que os motoristas tenham 30 minutos gratuitos a partir da entrada na vaga e, após isso, seja cobrado um valor. 

A proposta é de autoria dos vereadores Professor Euler (MDB) e Denian Couto (Podemos). Segundo eles, a medida pode incentivar as pessoas a permanecerem com os veículos estacionados por menos tempo.

Os parlamentares afirmam, ainda, que o objetivo do EstaR em Curitiba é aumentar a rotatividade das vagas públicas nas vias da capital e, por isso, a ideia que eles propõem na CMC vai de acordo com os princípios desse modelo de estacionamento.

O EstaR em Curitiba foi criado no ano de 1971, durante a gestão do então prefeito Jaime Lerner (1937-2021), com o objetivo acima mencionado, além de dar oportunidade para mais pessoas estacionarem os automóveis em determinados pontos da capital paranaense.

Primeiramente, os pagamentos eram feitos após aquisições de talões, que eram fiscalizados por agentes de trânsito. Hoje em dia, a prática é realizada através de aplicativos para celulares.

PROJETO DE MUDANÇA NO ESTAR NA CÂMARA DE CURITIBA

O projeto de mudança na cobrança do EstaR em Curitiba está em fase inicial e foi protocolado na Câmara Municipal da cidade (CMC).

A partir disso, é feita uma leitura da súmula durante o pequeno expediente de uma das sessões plenárias no parlamento curitibano.

Depois, projeto segue para instrução da Procuradoria Jurídica (Projuris) e para a análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Se acatado, passa por avaliação de outros colegiados indicados pela CCJ.

Após o parecer das comissões, a proposição vai para votação em plenário. Caso seja aprovada, segue para a sanção do prefeito para virar lei.