Estiagem revela lixo acumulado na represa e Parque do Passaúna, em Curitiba

Redação

estiagem, lixo, represa, represas, rio, lago, passúna, parque do passaúna, curitiba, água, economia, racionamento

Uma grande quantidade de lixo começou a ser retirada da Represa do Passaúna, em Curitiba, nesta quinta-feira (7). A estiagem mais dura dos últimos 40 anos baixou o nível de rios, lagos e reservatórios em todo o Paraná.

Com a Represa do Passaúna quase vazia, uma série de resíduos descartados indevidamente no local foi revelada.

De acordo com a Prefeitura de Curitiba foi encontrado lixo de todo o tipo: placas de trânsito, carcaças de veículos, quadros de bicicleta, plásticos, garraras, latinhas e pneus.

O material é retirado por uma equipe Amigo dos Rios, da Limpeza Pública, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

“O trabalho ainda deve seguir até amanhã. Nosso planejamento é fazer a limpeza desde a ponte da Avenida Eduardo Sprada até a chaminé, no final do Passaúna, dentro do município de Curitiba”, conta o diretor de Limpeza Pública, Edélcio Marques dos Reis.

Aproximadamente 20 pessoas trabalham na equipe especializada de limpeza de rios. Conforma e prefeitura, todas estão devidamente equipadas com equipamentos de proteção, além de máscaras.

Além disso, na área do parque, seis metros cúbicos de entulho foram recolhidos. No lago, o material mais frequente encontrado pelas equipes de limpeza são telhas vandalizadas do próprio parque.

A estiagem, além de revelar o lixo em lagos e represas, também impõe a necessidade de economizar água. Em Curitiba, a Sanepar tem promovido racionamentos e avalia dia-a-dia a necessidade de fazer rodízio de abastecimento.

estiagem, lixo, represa, represas, rio, lago, passúna, parque do passaúna, curitiba, água, economia, racionamento, rodízio, abastecimento
Pedro Ribas/SMCS

*Com informações da SMCS

Previous ArticleNext Article