Deputado da Lava Jato fugiu de flagrante em hospital após acidente, confirma PM

Jordana Martinez


Por Narley Resende

O ex-deputado federal João Pizzolatti do Partido Progressista de Santa Catarina, teria causado um acidente em Blumenau, que deixou uma pessoa com ferimentos graves na SC-421, que liga Blumenau a Pomerode.

Por volta da uma hora da tarde desta quarta-feira (20), três carros se envolveram no acidente. O ex-deputado, de 56 anos, dirigia uma Volvo XC60 e sofreu apenas um hematoma.

Um vídeo que circula na internet mostra Pizzolatti com sinais de embriagues após o acidente. Uma pessoa pergunta se ele está bêbado e ele confirma. Por isso, houve confusão e testemunhas chamavam o político de “bêbado” e “cachaceiro”.

O motorista de um Fiat Mobi, um dos três carros envolvidos no acidente, ficou preso nas ferragens e sofreu fraturas e queimaduras de primeiro grau pelo corpo. O rapaz de 23 anos foi socorrido de helicóptero e está internado em estado grave no Hospital Santo Antônio, onde deve passar por uma cirurgia nesta quinta. A motorista do terceiro veículo envolvido, um Hyundai IX35, não se feriu.

A imprensa local afirmou que Pizzolatti “fugiu” do flagrante no Hospital Santa Isabel antes de ser atendido. O advogado Michel Saliba Oliveira, que defende Pizzolatti de um processo na Operação Lava Jato, disse ao site G1 que ele sofre de depressão e alcoolismo. !!! A reportagem da BandNews aguada retorno da Polícia Militar, para explicar se foi feito flagrante e bafômetro e da Delegacia de Trânsito de Blumenau.

O Delegado Rodrigo Manuel Marchetti deve ficar responsável pelo caso. O hospital também foi procurado, mas não se pronunciou.

João Pizzolatti está entre 12 políticos do Partido Progressista denunciados pela Procuradoria-Geral da República em setembro deste ano por recebimento de propinas do chamado “quadrilhão”. As denúncias tem como base as delações premiadas feitas pelo doleiro Alberto Yousseff e pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Ambos apontam que Pizzolatti “compunha o grupo de parlamentares do PP que, de maneira estável e permanente, atuava visando a manutenção e operacionalização do esquema”.

De acordo com Yousseff, esse grupo de deputados do Partido Progressista, que incluía Mario Negromonte, Nelson Meurer e Pedro Correa, recebiam de 250 mil a 500 mil por mês e intermediavam a divisão do resto – de 1 milhão e 200 mil reais a 1 milhão e 500 mil – com os demais deputados do partido.

“Sinais de embriaguês”

Em nota à imprensa, o tenete-coronel da PM João Batista Réus confirmou que o ex-deputado apresentava “sinais de embriaguês”.

“Informo que, ao chegar ao local dos fatos a guarnição da Polícia Militar Rodoviária Estadual constatou um acidente com vítima, em que o autor do fato Sr. João Alberto Pizzolatti Júnior encontrava-se em visível estado de embriaguez, sendo solicitado que este se submetesse ao teste do etilômetro, o que foi recusado, restando então à polícia a elaboração de um Auto de Constatação de Embriaguez.

Ressalta-se que a polícia não realizou a prisão em flagrante no local do acidente, em virtude do autor, João Pizzolatti, necessitar de atendimento médico, pois a colisão poderia ter causado um trauma em seu crânio, segundo o SAMU.

Por fim, os policiais se deslocarem para o Hospital para realizar a prisão do autor, sendo informados que João Pizzolatti tinha se evadido do local sem atendimento médico, tomando rumo ignorado”.
JOÃO BATISTA RÉUS
Tenente-coronel PM Chefe

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.