Ex-policial acusada de matar copeira vai a júri popular hoje

Caso aconteceu em 2016; ex-policial civil teria ficado irritada com o barulho de uma confraternização e atirou, atingindo a cabeça da copeira.

Rafael Nascimento - 26 de maio de 2022, 08:55

Foto: TJPR
Foto: TJPR

A ex-policial civil Kátia das Graças Belo, acusada de matar a copeira Rosaria Miranda da Silva ao disparar da sacada de sua casa contra uma festa, em 2016 em Curitiba, vai a júri popular nesta quinta-feira (26). O julgamento acontece no Tribunal do Júri, a partir das 13h30.

Kátia das Graças Belo era investigadora da Polícia Civil e responde por homicídio duplamente qualificado pela morte da copeira Rosaira Miranda da Silva. As qualificadoras são homicídio qualificado por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima, conforme decisão da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Conforme a denúncia do Ministério Público do Paraná (MPPR), Rosaira participava de uma festa de confraternização com os colegas da empresa onde trabalhava, em dezembro de 2016. Eles estavam reunidos nos fundos de um estacionamento, no Centro Cívico.

Rosaira foi atingida por um tiro na cabeça ao participar de uma confraternização em 2016. Foto: Reprodução/Facebook

Ainda segundo a denúncia, a policial civil teria ficado irritada com o barulho e atirou contra o estabelecimento, atingindo a cabeça da copeira. Rosaira chegou a ser levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

À época, Katia das Graças Belo atuava como investigadora no Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria). Ano passado, o Conselho da Polícia Civil do Paraná decidiu pela expulsão de Katia Belo da corporação. Após ser exonerada, a ex-policial civil responde pelo crime em liberdade.