Ex-secretários são indiciados no processo da Operação Pecúlio

Fernando Garcel


Dois ex-secretários de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, foram indiciados no inquérito da Operação Pecúlio acusados de participação no esquema de corrupção envolvendo as obras do município. Carlos Budel e Aires Silva estavam presos desde a deflagração da segunda fase da operação, em maio.

Ambos são acusados de cobrar propina de empreiteiros responsáveis por obras no município. Carlos Budel ocupou cargos de superintendente do FozTrans e foi secretário de Obras do município, mas pediu exoneração do cargo após a prisão na operação policial. Segundo a Polícia Federal (PF), interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça comprovam a cobrança de propina.

O ex-secretário de Pavimentação, Aires Silva, e Budel estão presos na carceragem da PF e na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu, respectivamente. A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos ex-secretários de Foz do Iguaçu.

A operação Pecúlio investiga irregularidades em contratos de obras e também na área da Saúde, com desvio de verbas provenientes do Governo Federal para o Sistema Único de Saúde e no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC). Entre os investigados na operação está o prefeito de Foz, Reni Pereira (PSB) – apontado como o chefe do esquema, que pediu afastamento do cargo por motivos de saúde. Ele nega todas as acusações.

Previous ArticleNext Article