Família do Paraná consegue na Justiça direito a tratamento para criança autista

Angelo Sfair

autista, autismo, tea, transtorno do espectro autista, família, paraná, justiça, tribunal de justiça do paraná, tjpr, custos, quanto custa, tratamento gratuito

Uma família do Paraná conseguiu na Justiça o direito a tratamento gratuito para uma criança que convive com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Os custos deverão ser assumidos pelo SAS (Sistema de Assistência à Saúde), ligado ao Governo do Paraná. Além disso, os profissionais que já atendiam a menina devem ser mantidos. O tratamento foi avaliado em pouco mais de R$ 7 mil por mês.

De acordo com a família, a criança autista apresenta sintomas como dificuldades de linguagem, atraso neuropsicomotor e isolamento social. Assim, existe a necessidade acompanhamento médico multidisciplinar. O objetivo do tratamento é amenizar as dificuldades a auxiliar a criança autista a se desenvolver de forma saudável.

Em primeira instância, a Justiça decidiu, em caráter liminar, que fosse concedido o tratamento prescrito à menina. O acompanhamento multidisciplinar abrange fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia, hidroterapia, fisioterapia e natação durante todo o curso do processo.

No entanto, a família recorreu ao TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) pedindo que não houvesse alteração nos cinco profissionais que já atendiam a criança autista.

MANTER MÉDICO DE CRIANÇA AUTISTA NÃO É PRIVILÉGIO, DECIDE TJPR

autismo, autista, transtorno do espectro autista, tea
Reprodução/Wikimedia Commons

De acordo com os familiares, a mudança de terapeutas poderia causar a regressão dos avanços conquistados. Isso porque a criança autista tem dificuldade em criar vínculos e estabelecer novas rotinas.

Conforme o TJPR, o Estado do Paraná deverá assumir os custos do tratamento, avaliado em R$ 7 mil por mês. Por unanimidade, os desembargadores também acataram o pedido para manter a atual equipe de médicos e terapeutas, a fim de não prejudicar a saúde da menina autista.

“Vê-se que o pedido para que sejam mantidos os médicos com os quais a paciente já vinha sendo atendida não se trata de preciosismo ou privilégio, mas de uma necessidade médica devidamente comprovada e inerente à condição da criança”, apontou um trecho do acórdão.

O despacho ainda aferiu que trata-se de um questão urgente. Por isso, conforme o TJPR, o custeio e manutenção dos profissionais seria a medida mais adequada para garantir a saúde da criança autista e a segurança da família.

Previous ArticleNext Article