FAS acolhe 1.158 pessoas em situação de rua e intensifica resgate com chegada do frio

As equipes da FAS passaram a intensificar o trabalho de resgate e acolhimento da população mais vulnerável com a chegada do frio, nesta semana.

Redação - 16 de maio de 2022, 11:45

Foto: Andre Wormsbecker
Foto: Andre Wormsbecker

Curitiba acolheu 91 novas pessoas em situação de rua desde a zero hora deste domingo (15) até as 7h desta segunda-feira (16), quando teve início da ação de inverno da Fundação de Ação Social (FAS). Com isso, 1.158 pessoas ficaram abrigadas nas unidades do município destinadas a esta população nesta noite - as outras 1.067 já são atendidas diariamente na Capital.

As equipes da FAS passaram a intensificar o trabalho de resgate da população mais vulnerável e acolhimento com a chegada do frio, nesta semana. De acordo com a prefeitura, 92 pedidos de atendimento a pessoas em situação de rua foram recebidos via pela Central 156. Além disso, as equipes trabalharam em roteiros de busca, principalmente onde há maior concentração dessa população.

Durante a abordagens, os servidores tentam convencer as pessoas que estão em situação de rua a seguir com eles até as unidades, onde podem fazer a higiene, se alimentar e dormir em camas limpas e quentes.

Entre as 91 pessoas que aceitaram acolhimento estava o gaúcho Carlos Henrique Viegas, 51 anos, que mora há 20 anos em Curitiba, sendo os últimos dois em situação de rua. Carlos pediu acolhimento à equipe da FAS que estava no Terminal Guadalupe fazendo abordagem a pessoas desabrigadas.

“Eu estava dormindo na laje e eu não posso ficar na rua porque vai ser muito frio”, comentou o homem, que foi encaminhado para a Casa de Passagem Padre Pio, na Praça Solidariedade, no Rebouças.

Na mesma Kombi de resgate, a equipe encaminhou mais um homem que estava na calçada ao lado da estação-tubo. Alcoolizado, ele não conseguiu falar com a equipe.

Assim como Carlos, Lindamir Bonfim dos Santos, 49 anos, também pediu acolhimento. Ela foi levada pela equipe para a Casa das Mulheres, onde passou a noite protegida.

Apesar da insistência das equipes para que não fiquem nas ruas durante as noites de frio, 79 pessoas recusaram atendimento das equipes de abordagem social e 81 delas foram orientadas sobre os riscos de ficar nas ruas com baixas temperaturas.  

Frente fria provoca queda nas temperaturas

A Ação Inverno é realizada todos os anos para acolher quem aceita atendimento durante os meses em que as temperaturas são mais baixas em Curitiba.

Com previsão da chegada de uma frente fria que vai derrubar as temperaturas mínimas até 4 graus, esse trabalho será reforçado nas noites desta segunda (16) a sexta-feira (20) para garantir que a população em situação de rua esteja abrigada antes das madrugadas, quando as temperaturas costumam ser mais baixas, aumentando assim o risco de hipotermia.

Durante a semana, das 18h a 1h, a Fundação de Ação Social (FAS), responsável pelos serviços de abordagem social e acolhimento no município, vai realizar ações intensificadas nas dez regionais da cidade. O trabalho contará com mais equipes nas ruas neste período para fazer a busca ativa por pessoas que estejam desprotegidas.

Nos demais horários, o trabalho segue o cronograma da Central de Encaminhamento Social (CES), que funciona 24 horas por dia e sete dias na semana, e dos Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas) , que atendem nas dez regionais da cidade, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

As abordagens sociais também são feitas com base nas solicitações que chegam à Central 156. Por isso, a FAS orienta a população para que, ao avistar uma pessoa nesta condição, entre em contato por meio do telefone ou pelo app Curitiba 156.

“É nosso propósito erguer as pessoas através da FAS, para que ninguém morra de frio, para que ninguém padeça com os rigores do inverno, para que todos tenham acesso às Mesas Solidárias, aos abrigos que a Prefeitura propicia”, explica o prefeito, Rafael Greca. “Se toda a cidade ajudar, o inverno de Curitiba será humanitário.”

Mais vagas

Para a realização da Ação Inverno, o município aumentou o número de vagas nos abrigos. Inicialmente, serão 1.194 vagas disponíveis, 21% a mais do que as existentes na rede, mas este número pode aumentar ainda mais, de acordo com a demanda, com a abertura de unidades emergenciais.

As vagas de acolhimento estão distribuídas em 19 unidades, sendo dez delas de acolhimento institucional, três hotéis sociais, quatro casas de passagem (para pernoite) e duas repúblicas para famílias migrantes. Uma das repúblicas, que funcionam como casas compartilhadas, será inaugurada nos próximos dias.

Oferta de serviços e agasalhos

Durante as abordagens sociais, as equipes da FAS falam sobre os serviços ofertados pelo município e convidam as pessoas a seguirem junto para as unidades de acolhimento. 

“Nas noites mais frias, se a pessoa abordada não aceitar atendimento, vamos distribuir agasalhos, cobertores e mantas térmicas”, explica o presidente da FAS, Fabiano Vilaruel.

Pessoas em situação de rua com problemas de saúde também têm atendimento especial. Além de serem monitoradas constantemente pelas equipes, que já conhecem cada caso, elas poderão serem encaminhadas para unidades de saúde do município.

Como acontece desde 2019, os animais de estimação também são abrigados. Nas primeiras horas da Ação Inverno, dois cães foram encaminhados pelas equipes junto com seus tutores para unidades de acolhimento que possuem canis. Para esse serviço, a FAS mantém em suas Kombis para abordagem social, caixas para animais de até médio porte.