Febre amarela: número de macacos mortos sobe para 91 no Paraná

Redação

febre amarela, macacos, humanos, casos confirmados, casos suspeitos, morte, morte no paraná, paraná, campos gerais, castro, vacina, imunização

Oito macacos foram encontrados mortos com o vírus da febre amarela no Paraná durante a última semana. O número total de primatas infectados passou de 83 para 91, de acordo com o boletim mais recente divulgado nesta quarta-feira (26) pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde).

Conforme os dados atualizados, o número de notificações passou de 485 para 560. Além disso, 188 casos permanecem em investigação. De acordo com a Sesa, desde o início do período epidemiológico, outros 60 casos suspeitos foram descartados. Enquanto isso, 221 mortes foram consideradas “indeterminadas”.

De acordo com a Secretaria da Saúde, Ponta Grossa lidera as notificações. O município dos Campos Gerais do Paraná registra 32 mortes de macacos por febre amarela dentre os 91 confirmados em todo o estado.

“Os casos de macacos mortos sinalizam que o vírus está circulando no Estado, isso alerta para a necessidade de tomar a vacina contra a doença. A taxa de letalidade nos casos mais graves da doença é de 60%. Isso é muito preocupante, precisamos que a população entenda a necessidade e a importância da vacina na prevenção da doença”, alerta o secretário da saúde, Beto Preto.

FEBRE AMARELA AVANÇA NO PARANÁ

Conforme o boletim divulgado nesta quarta-feira (26) pela Sesa, seis novos municípios confirmaram pela primeira vez mortes de macacos com febre amarela.

São eles: Guarapuava, Campo do Tenente, Contenda São José dos Pinhais, Santa Maria do Oeste e Paulo Frontin (2).

CASOS EM HUMANOS

Desde o início do ano, nenhum caso de febre amarela em humanos foi confirmado no Paraná. No entanto, 16 suspeitas permanecem em investigação. Conforme a Secretaria da Saúde do Paraná, 76 notificações foram descartadas.

A febre amarela pode ser evitada por meio da vacina. As doses de imunização estão disponíveis gratuitamente na rede pública estadual. A vacina em dose única é indicada para pessoas com idades entre nove meses de idade e 60 anos incompletos.

Previous ArticleNext Article